Eu posso encontrar um namorado

Muitas pessoas encontraram o amor durante suas viagens e essa não podia deixar de ser uma das dicas de como encontrar um namorado. Você pode se tornar uma delas. 33. Sempre sorria. Um sorriso pode dar leveza às coisas, e um belo sorriso é realmente atraente. 34. Junte-se a grupos espirituais. Homens espirituais tendem a ser legais, e ... Por que são os detalhes do dia-a-dia que tornam alguém inigualável. Por isso, escolha um namorado que ature a sua TPM – e que, se possível, te ajude a conviver com ela. Alguém que nunca diga que não deseja mais ninguém além de você – por que eu posso dizer seguramente que qualquer um que diz isso está mentindo. A probabilidade de encontrar seu futuro namorado se torna absolutamente maior quando você se permite conhecer novas pessoas. As vezes é o amigo de um amigo, o primo de uma colega, um vizinho que você quase nunca vê… Se quer saber como arrumar um namorado, precisa se ajudar. Pense: Que lugares posso frequentar, que tem Homens interessantes? eu não consigo encontrar um namorado Tenho 20 anos e eu não consigo encontrar um namorado, já tive vários no passado e não deram certo mas desde os 18 anos nunca mais consegui encontrar ninguem, eu sei que estou mais velha e engordei um pouco mas acho que isso não é motivo para não conseguir encontrar um namorado. Eu tenho que dizer: se você ficar assim, nunca vai conseguir conhecer pessoas legais, nem saberá como arrumar um namorado ou ter um relacionamento. Por isso, deixe o celular de lado e vá se divertir! 7. Não fale demais. Caso o gato vá conversar com você ou você tome coragem e for falar com ele, torne a conversa leve e descontraída. Eu te imploro, Santo Antônio, ajudai-me nesta hora. Amém. 2. São Cipriano, oh grandioso, vós que de amor entendes tão bem, venho a ti clamar por socorro, pois desejo de todo o meu coração encontrar um grande amor. Lhe peço, mova as forças do amor em minha vida, São Cipriano poderoso, de forma que eu possa encontrar um namorado ... Encontrar um namorado pode ser mais fácil do que você imagina. Conheça o método que já ajudou centenas de homens gays a começar um relacionamento sério. Como se tornar 10X mais atraente para conquistar o homem que você escolher Se está à procura de um namorado mas não consegue encontrar um, leia as dicas abaixo para encontrar o amor verdadeiro (e um namorado quentinho e gentil, também). Passos. Parte 1 de 5: Procurando rapazes quero encontrar um namorado,que seja um senhor mais velho,que nao fume,que saiba bebere acima de tudo que nao seja mulherengo,tenho 63 anos,sou morena,de olhos pretos,cabelos castanhos,nao fumo nao bebo bebida alcolicas,sou de estatura media.Espero encontrar essa pessoa. Acesse para responder; aline: eu estou a procura de um namorado legal e bonito Eu acredito que você pode encontrar a pessoa especial em qualquer lugar do mundo, mas existem os locais mais prováveis e improváveis de encontrá-la. A balada, por exemplo, não é um local que eu indicaria para você procurar. Existem pessoas que se apaixonam nas baladas, casam e vivem felizes? Sim, existem. Mas é “um caso em um milhão”.

vivendo um paraíso e ao mesmo tempo um inferno

2020.09.04 21:06 Level-Account-7474 vivendo um paraíso e ao mesmo tempo um inferno

Antes de falar toda o meu "romance", eu deixo claro que dependo dos meus pais, não tenho dinheiro para nada, e também a história provavelmente vai ser clichê para vocês e longa, "sad but true".
Por volta de maio, eu começei a conversar com uma menina que é da umbanda, o terreiro dela é aqui perto da minha casa e sempre observava ela passar na frente da minha casa e achava/acho ela bonita, e pela primeira vez na vida tomei coragem e inicie uma conversar com uma menina(claro, no começo era online kkk pelo ins, mais ainda vale, pq não tinha coragem para nada), passando um tempo a gente decidiu se encontrar pessoalmente( nesta hora já tinha percebido que ela estava interessada em mim) então convidei ela para vim aqui na minha casa, a gente sentou na porta da rua e conversamos por horas( cerca de duas horas e meia).
Mais foi no dia do nosso primeiro encontro( como amigos ainda) que a minha família começou a infernizar minha vida, eles sabiam quem era é da onde era a menina( pq eles sabem todos os membros do terreiros aqui perto de casa, só para ficar falando mal, odioooooo), quando ela foi embora e eu entrei para dentro de casa e ocorreu uma confucao enorme, eles dizendo que eu estava indo para o caminho de satanás( não posso ir para o caminho de um ser que não existe, sim eu sou ateu, mais ainda não falei sobre meu ateísmo e minha família"cristão"), depôs disso ocorreu mais confucao, afinal, agora estou namorado essa menina, gosto muito dela.
OBS: meus pais só fazem discursos de ódio contra outras práticas espirituais dentro de casa, fora eles são as pessoas mais falsas possíveis.
mais o que mais me deixou triste foi anteontem que a minha namorada disse que estava no hora das nossas famílias se conhecerem, mais o que me deixa triste é saber que eles podem vim aqui( minha casa) e conhecer minha família, mais depôs meus pais vão cair encima eles falando várias barbaridades.
o que eu devo fazer? enrolo minha namorada ou conto toda a verdade?
submitted by Level-Account-7474 to desabafos [link] [comments]


2020.08.16 13:35 Nicocchi606 Sou babaca?

Bom, nunca tentei fazer isso, mas realmente não sei mais o que fazer. Essa história vai ser meio longa, mas obrigada de coração para quem puder me ceder esse tempo.
Contexto: Sou filha única e ilegítima, nunca conheci meu pai por isso, ele nunca quis me encontrar, não me reconheceu e nunca mandou nenhum tipo de suporte e minha mãe não pede ao governo. Ele não é br e mora em outro país com a mulher e dois filhos. Minha mãe conheceu ele na Itália e sempre amou esse país. Ela veio me ter no Brasil mas sempre quis voltar para lá. Anos atrás, quando eu tinha 12 ela entrou em contato com um ex namorado italiano por e-mail, e em 2 anos decidiram se casar. Obviamente eu era contra, mas ela me levou para Itália contra a minha vontade mesmo assim, e minha família não fez nada já que era "uma chance de um futuro melhor". (Não discordo, o ensino é melhor mas é muito pesado, sem feriados e sem consideração, o Brasil é bem melhor nisso).
O problema: Desde que desci do aeroporto não fui com a cara do homem, mas aguentei pela minha mãe. Mas semanas depois o casamento não deu certo. O cara era um escroto, e nós dois não nós dávamos NADA bem. Naquele mesmo ano, minha mãe me colocou na escola (eu não sabia a língua, e valem duas coisas, ela me fez duas promessas. Não vou te colocar na escola até você se acostumar com a língua. E se não se acostumar em 2 meses a gente volta). Bom, como dizer....foi o inferno literalmente, eu sempre fui tímida, e não sabia a língua, logo fui excluída pela sala. E uma professora parece que se aproveitava de eu não poder me defender pra me humilhar na frente de todos. Enquanto isso em casa, eu passei a nem mesmo sair do quarto, nem para comer pois não aguentava nem ver o marido da minha mãe. E ela não se impunha com a desculpa de "a casa é dele, temos que respeitar". Nesse ano acabei com depressão e fobia social aliás. E agora não duvido nada que ainda tenha Distúrbio de personalidade Esquiva, suspeitas tenho muitas mas só o psicólogo pra confirmar. Me mudei de escola e passei um ano mais ou menos. Mudei de novo, de escola e de casa, nisso tinham passado 2 anos. Outro inferno, minha mãe não conseguiu manter o apartamento onde estávamos morando só as duas. Não tinham móveis em condições de uso, e passei muito tempo tendo que dormir no chão por isso, sozinha em casa a maior parte do dia. Alí a escola estava igual ao primeiro ano, ignorada por todos. E aquilo tudo piorou minha situação, comecei a ter crises de pânico e ansiedade e não consegui mais ir para a escola 15 dias antes de tudo ser fechado pela pandemia, mas não consegui nem mesmo participar das aulas online pelo medo de viver tudo aquilo de novo. Por pouco não perdi o ano... Agora é o 4 ano morando aqui. Nos mudamos de novo, para a casa do pai do ex marido dela, que é como um pai para a minha mãe. E é horrível aqui. Ele tem 86 anos, logo viveu em tempos de guerra e não entende que as coisas mudaram, nem tenta entender os outros, acha que todos tem que viver do mesmo jeito que ele, é REALMENTE teimoso e cabeça dura. Um exemplo: Eu estou de férias, logo quero dormir um pouco mais tarde, o que já é difícil já que em todos esses anos e ainda agora, divido um quarto com a minha mãe, então nem a minha privacidade eu tenho. Ontem não estava conseguindo dormir, acabei pegando no sono as 04:00, acordei às 10:00 e fui tomar café. Ele já entrou na sala falando de como era um absurdo isso. Que eu tinha que comer mais cedo. Razoável? Talvez se fosse só isso. Ele quer que eu siga esses horários dele: dormir às 21:30, acordar às 06:00, almoço às 12:00 e janta as 18:00. Principalmente o almoço, meio dia eu TENHO que estar na mesa. Uma vez eu tava de cama sem respirar por uma crise alérgica e não desci. Ele começou a berrar, jogou o chapéu no chão e saiu falando que eu estraguei o dia dele, que bem ou não, com fome ou não, meio dia eu tenho que descer e assistir eles comerem. Então comer fora? Nem pensar. E minha mãe não fala nada por que "é a casa dele" eu já tô tão irritada com isso! Quer dizer, nas FÉRIAS, eu não posso pegar um dia pra sei lá, almoçar fora com ela, comer um pizza fora, NADA. Por que se não a princesa em casa surta! Desculpa, eu sei que ele tem a idade e mentalidade dele, mas pelo amor de Deus. As vezes sinto que tenho que pedir permissão pra respirar, me sinto sufocada! Minha mãe fala que está tentando melhorar as coisas esse tempo todo, e sou eu que não me esforço. Na verdade tenho medo de quando a escola começar, eu falto bastante por crises de pânico/ ansiedade, é HORRÍVEL mas sei que esse cara vai fazer uma cena maior ainda de me ver em casa.
No final, falando assim, é um pouco do que eu passei, mas viver assim, todo dia em 4 anos, com uma pressão enorme de "ter que fazer tal coisa por tal pessoa ou eu sou mal educada" ou de ter que ser perfeita i tempo todo para agradar fulano porque é a casa dele vem acabando comigo. Minha família e uma psicóloga que eu fui (que eu tive que infernizar a minha mãe para me levar quando comecei as crises) me disse que quando eu tiver 18 vou poder fazer o que quiser..mas não sei se resisto até lá.
No final eu sou babaca? Por que não me esforço para ajudar a minha a "melhorar as coisas" (honestamente eu nem sei o que fazer pra ajudar, ela praticamente me largou na escola e parece que coloca todos antes de mim) e por ficar mal por toda essa situação? De verdade, eu não sei, talvez eu devesse dar mais suporte para a minha mãe? Tratar ela melhor ou algo? Eu realmente não sei mais o que fazer com tudo isso...ou com essas pessoas com quem moramos/ morávamos, é muito insensível da minha parte querer viver? Porque eu tô na Itália, e nunca fui visitar lugar nenhum, Veneza, Milão, Genova, Pisa, nada. Eu só queria um pouco de liberdade nisso tudo.
Desculpem o tamanho do texto, mas obrigada de verdade a quem leu até aqui. Realmente precisava colocar isso para fora.
submitted by Nicocchi606 to desabafos [link] [comments]


2020.07.14 16:30 galoccego Relato de um ex-barman

ESSE RELATO NÃO É MEU, ENCONTREI NO FACE E COMO ACHEI MUITO INTERESSANTE DECIDI TRAZER PARA O REDDIT.
Relato da internet: Parte 1 Já trabalhei como barman e observando bastante a vida dos que estavam do outro lado do balcão, tudo o que já falaram é verdade.
Entradas para as mulheres são sempre cortesias. Os homens pagam caro. E não se enganem achando que as mulheres não pagam a entrada, quem paga são os homens. Se a entrada na noite custa R$ 30,00 pra um homem, a verdade é que é R$ 15,00 masc(a dele). e R$ 15,00 femin(de alguma menina que entrou "free"). Os donos de bares jamais levam prejuízos e nada é de graça. No bar que eu trabalhava, o dono fazia "descontos" para os amigos, e usava esse argumento.
Nos bares sempre tem as bebidas originais bem guardadas, que são destinadas aos Vips. Geralmente, os alfa$. Os ricos chegam, as bebidas de qualidade vão todos para eles, e pegam mulher com o rodo. Já os pobres coitados que não são ricos, consomem bebidas falsificadas e não pegam ninguém.
Nesses lugares, o que mais vi mandar em tudo é o dinheiro. Quanto mais rico o cara for, mais mulher ele consegue. E nunca vi um alfa físico sair ganhando de um rico. A ordem de prevalências pelo que já constatei é:
  1. Ricos.
  2. Caras que tem o shape massa.
O resto nem entra, porque gordos, magrelos, baixos, pobres, etc, só levam prejuízo na balada. Prejuízo financeiro e EMOCIONAL. Quando conseguem alguma coisa, é no final da noite com alguma feínha que foi rejeitada pelos alfas. Quando a balada está terminando, e aquelas meninas que foram rejeitadas pelos alfas estão voltando para casa chateadas com a vida, é onde os zé ninguéns conseguem alguém. A única chance para o cara mediano na balada conseguir alguma coisa, é no fim dela. Pois mesmo uma vilena numa balada se sente uma rainha, e despreza todo mundo, com um ego gigantesco. Elas fazem isso porque se acham dignas apenas dos alfas. Mas quando os alfas as dispensam e a rejeitam porque acharam outra mulher mais atraente, é um tiro bem no meio do ego dela, pois ela passou a festa inteira dispensando os medianos porque se achava digna apenas do alfa, e agora no final ela vai embora sozinha sem ninguém? Aqui é onde o emocional está fragilizado e onde o homem mediano terá mais chances de conseguir alguma coisa com uma menina mediana ou feia. As bonitas, esqueçam. Não tem nem como se você não for alfa.
Se a intenção é pegar mulher, se for ao puteiro gastará bem menos financeiramente, não terá desgaste emocional, e o risco de pegar DST é o mesmo da mulher baladeira. Se brincar, é até menor. Se não for rico, beberá bebidas falsas, terá prejuízo, e saíra com o emocional destruído de lá, achando que o problema do mundo não te aceitar e te enxergar é seu.
Já vi muitos clientes homens medianos, indo pagar sua conta cabisbaixo, sem graças, com dois ou três amigos tudo desanimado porque vão embora sozinhos dentro um carro. E outros fingindo que só foram na balada pra curtir, que embora não tenham pegado ninguém, se divertiram e etc. O que é mito.
E tem um monte de mulher que paga de santinha falando que vai só pra curtir e ver o Dj, ou porque gosta de tal banda e etc, mas vai só pra dar toco. Não gostam de transar, não gostam de beber, não gostam de nada, só de se sentirem poderosas. Até os alfas penam nas mãos dessas mulheres em baladas.
Em baladas, o único que ganha realmente é o dono da boate. Pois ele ganhou um lucro exorbitante nas bebidas que vendeu(porque TODAS as bebidas são compradas a preço de banana, se você paga R$ 250,00 numa garrafa de whisky, pode ter certeza que ela foi comprada por R$60,00 no máximo, e se for falso, R$ 20,00 ou 30,00). Para constatar isso do preço, é bem simples, vá um supermercado e olhe o preço da garrafa. Depois divida ele por 2. E compare com o preço que você pagou na boate. No bar que trabalhei, compravam latinhas de Antartica por R$ 1,45 no próprio supermercado, e revendiam a R$ 5,50. Quando compravamos direto da Ambev, havia longneck que pagamos 0,90c a unidade, e revendiamos a R$ 6,00 ou R$ 7,00. O dono sempre tem mulher no pé dele, e mulher top. Ele nunca fica "desamparado sexualmente". O status do cara de ser dono de uma boate, desbanca todos os alfas.
Na minha opinião boate é um prejuízo de todas as formas possíveis, exceto para o dono. Mesmo para os alfas e ricos, é um prejuízo tanto financeiro como emocional. Pois você continua pagando pra comer a menina e se desgatando emocional fingindo interesse, competindo com outros machos e etc., mas eles não ligam, né?
Parte 2 Baladas é tanto o puteiro para mulheres, como disseram, como também é armadilha para bobos. É bom mostrar os outros aspectos que prejudica o homem, não sendo só as mulheres, para que possam ficar alertas. Todos os panfletos, as propagandas, as pulseiras de camarote, os copos e bonés e outros brindes... Tudo isso é friamente pensado pelos organizadores da festa para vender uma ilusão enorme, de tal forma que faça o nerd jogador de minecraft sentir vontade de sair de casa e ir lá e gastar seu dinheiro achando que vai se dar bem, de fazer a mais alta piranha sonhar que vai encontrar o Eike Batista dela lá dentro. Observem bem na cidade de vocês como são as propagandas, se você esquecer seu bom senso um pouquinho, você vai cair no conto de que balada é o melhor lugar para ir e ser feliz.
Por trás dos autofalantes, dos graves, do neon, daquelas pessoas fingindo ser felizes, está um máquina pronta pra sugar seu dinheiro. A intenção é sempre pegar o dinheiro do homem. É por isso que eles também lotam de mulheres, quanto mais cheio de mulher um lugar estiver, mais homem disposto a perder tudo o que tem. Mulheres são as iscas, a massa de manobra, para juntar homens fracos emocionalmente e sugarem seu dinheiro. Em uma análise bronca, pode-se dizer que boate é uma das coisas mais anti-homem já criadas. Porque ela nunca prejudica as mulheres de fato, somente homens. Pois mesmo as mulheres sendo apenas iscas, elas ganham emocionalmente e ganham a chance de encontrar um bobo para ser provedor (e acreditem, tem muito playboy que assume uma bomba dessa).
E depois que o camarada entra lá dentro, ele vai ser vampirizado financeiramente o quando puder. A vampirização emocional é só a consequência de ser bobo. Eu mesmo comprava maços de Carlton por R$ 6,50, e vendia cada cigarro picado por R$ 2,00. Eu ganhava em torno de R$ 30,00 por maço, pois na boate não era permitido vender e fumar, mas o cigarro é um símbolo de status que todo mundo lá dentro quer, até quem não fuma quer fumar pra poder ser notado, e quem se aproveitar disso... Será que é errado? Não sei. Eu fazia. Sei que quando meus maços acabavam, os caras ficavam tão fissurados que saíam da boate, iam até os postos de combustíveis, compram cigarro e voltavam. Só pra poder senta na mesa fumando. E a mesma lógica vale também as drogas ilicitas (que eu não vendia, mas quem vendia ganhava uma puta grana).
O ambiente geralmente é tão baixo, que as pessoas que estão no camarote, com pulserinha e copo estilizados por exemplo, esnobam as pessoas que estão na pista. Mulher então? Elas faziam questão de mostrar que são apenas para os vips lá de cima. As mulheres quando sobem para os andares superiores, elas se sentem como verdadeiras deusas. E falo isso porque, eu trabalhei no bar de camarote, e minha função era apenas preparar coqueteis e servir bebidas, nada mais e também não abria nenhuma exceção pra favorzinho. E ouvia muitos sapos de mulheres dizendo que estudam medicina ou direito, que estavam acompanhadas de fulano de tal, que eu tinha que fazer o que eles mandavam... E eu nunca fazia. Só me restringia ao bar. Já tive que chamar segurança pra me defender porque os ricões, além de bobos, ainda queriam pagar de machões e iam lá tirar satisfação do porque não levei algo para a mesa deles etc, sendo que tinha garçom pra isso. Alias, os garçons... Pobres coitados! Eram o que mais sofriam. Raramente eu trabalhei com o mesmo garçom por mais de dois meses, eles não aguentam. Eles chegam na mesa e são ridicularizados, pelos homens que querem bancar os machoes e pelas mulheres que sentem poderosas. É realmente um trabalho de cão. A maioria dos garçons(e barmans) eram estudantes, caras feios, magros, precisavam de um dinheiro extra, e faziam esses bicos. E quando topavam de servir uma mesa cheio de caras ricos, mulheres bonitas e etc... Puts. Dava dó. Eram motivo de piadas. Você via nitidamente o emocional dos caras destruídos. Tinha que ter um emocional muito forte pra aguentar aquilo sem esmorecer. As mulheres sentiam um prazer enorme em ver outros caras pisando no pobre coitado que estava servindo elas, elas se sentiam, de verdade, deusas. Eu aposto que elas gozavam quando debochavam dos outros.
E, também, boate é um ambiente muito inseguro. Além das brigas constantes que sempre acontecem, quase dono nenhum gasta dinheiro investindo na segurança da infraestrutura, porque eles pensam que nunca vai acontecer nada na boate deles.
Parte3
Sobre DSTs, era prache eu ouvir comentários de fulanas e ciclanas que tinham herpes na xota. Com tempo você vai pegando amizade com alguns caras, seguranças, e as fofocas correm. Mulheres bonitas, que só frequentam camarote e só andam com os ricões e esnobavam todo mundo, tinham histórias muito cabulosas. Tinha menina que eles falavam pra não deixar ela nem fazer boquete porque senão o pau pegava carie. Meninas que todo matrixiano JAMAIS pensaria que fosse tão nojenta. E são essas meninas que vão se casar aos 30 anos com um bobo matrixiano que jamais vai saber do passado negro dela. Já vi alguns casais por aqui, um cara gente fina, que mal saia de casa, junto com uma menina que era verdadeiro carrapato de boate. E quando elas reconhecem a gente na rua, abaixam os olhos, ficam com medo da gente ser amigo do namorado dela e contar as coisas que viamos.
Mals o textão. Mas pra quem teve saco e quis ler, fica o relato. Se eu contar todas as histórias escabrosas que já vi e ouvi, do que a gente faz nas boates com as bebidas, enfim, é de doer os olhos. Mas tem gente que apanha e apanha e continua indo. Tenho amigos que diz que exagero muito, que eu sou revoltado e etc. Mas, as pessoas são como animais criados pro abate, são influenciados pela propaganda, sempre vão, se dão mal, passam mal, mas acordam no outro dia crente que o próximo final de semana será diferente. Enquanto isso vão só perdendo dinheiro e tempo.
Eu não recomendo o cara nem ir a um pub bem light. Embora não sejam um ambiente tão fútil e banal como é a boate, acontecem as mesmas coisas, mas apenas em menor escala e mais discretamente. Se a intenção é beber com os amigos, descontrair e relaxar, é melhor queimar uma carne em casa e comprar bebidas por conta, por exemplo. Pelo menos é minha opinião. Para conhecer mulheres: não faça isso, meu amigo. É tiro no pé.
Talvez alguém pense que essas coisas são exageros, mas é a minha conclusão da minha experiência pessoal enquanto fiz bicos de barman. E quando falo barman, esqueçam aquele esteriotipo de cara fortão, bonito que usa uma gravata borboleta no pescoço, na maioria dos casos é só gente normal fazendo bico. Esses "showmans" são outra parte da história que tem bastante privilégios por serem alfas. Eu não fazia parte dessa categoria. Pra eles as boates devem ser boas. Não era para mim porque eu sou um cara normal, e talvez por isso até pareça um butthurt. Mas é só um relato que espero que sirva de alerta. Hehe
Parte 4 Obrigado pelas boas vindas, pessoal!
Então... Sobre as histórias cabulosas, vou começar contando as profissionais. Claro que existe boates exceções assim como mulheres (será? ), mas... Enfim. Eu também não trabalhei em clubes de tão alto padrão assim, quando eu falo que era clubes pra quem tinha dinheiro, é porque as coisas eram muito caras. Mas, não é nada comparado a uma boate grande e famosa. hehe
Começando pelas bebidas, coisas que barmans geralmente são obrigados a fazer:
- A maioria das pessoas não bebem as cervejas completamente, pois elas esquentam rápido na mão, e sempre volta pro bar ou fica espalhado pelo lugar longnecks pela metade. No final da festa, alguns barmans despejam toda essa sobra de cerveja num balde, enfileira as longnecks e coloca funis nos gargalos, e sai enchendo elas tudo novamente. Depois colocam a tampinha e botam pra gelar. As cervejas, lógicamente, vão ficar chocas. Por isso só devem começar a servidas após 2h da manhã, por exemplo. Onde a maioria já se encontra bêbada e qualquer coisa que consumir está gostoso. Como os barmans, por cortesia, sempre abrem as longnecks para os clientes, eles nunca desconfiam das tampas frouxas. Não fiz muito isso, mas já trabalhei em um local e uma festa ao ar livre que fez. Não era prática diária comigo.
- Os sucos naturais, não são naturais. Muita gente pagava o preço por um coquetel feito com o suco da laranja exprimida na hora, mas tudo era somente suco de saquinho(tang ou o mais barato que tiver) batido no liquidificador. Ele fica consistente e espumoso como um suco da fruta. Restaurantes também fazem essa jogada. Um copo de suco "natural" de 200ml era R$ 4,50, por exemplo. O saquinho tang que fazia 1l no liquidificador era 1 e pouco.
- As tequilas sempre saíam em dose, e as garrafas sempre ficam com o barman. Reaproveitamos sempre a mesma garrafa, enchíamos ela um pouco menos da metade de whisky vagabundo ou falsificado, e completávamos com pinga vagabunda. Sacudiamos e vu a la! Tinhamos uma tequila ouro José Cuervo. Como a maioria das pessoas não conhece gosto de nada, pagam R$ 15,00 numa dose de 50ml que custou apenas, no máximo, R$ 5,00 pra fazer. E pior: muitos ainda elogiavam. xD
- Tinhamos um tónel, que se dizia vender cachaça artesanal. Cada dose de 50ml era R$ 6,00. Mas sabe o que tinha lá dentro? Pinga barata de R$ 3,00 o litro. Aquelas 51, 21, 31...
- Os whiskys que servíamos no bar, sempre eram tretas. Muitas vezes a gente fazia aquele lance de encher a garrafa de coca-cola com whisky barato e acoplar ela na boca de uma garrafa de Red Label e mandar o o whisky vagabundo pra lá. Essas geralmente são as que ficam penduradas no dosador de garrafa invertido. Numa festa com umas 3 ou 4 caixas de whisky, tinha no máximo 3 ou 4 garrafas realmente originais, guardadas para os magnatas.
- Quase sempre a gente recebia ordens pra marcar coisa a mais na comada do cliente, se ele parecesse que estivesse muito bêbado. Quando eles iam pagar, sempre ficavam muito putos com as meninas que trabalhavam no caixa, mas, então o gerente jogava aquela onda de que ele emprestou a comanda pra alguma mulher, que ele não lembra, se a coisa aperta muito já vinhas os seguranças intimidar, no final o cara sempre pagava. Não tinha jeito.
- As porções nunca jogavam fora. Já vi cozinheira tirando cinzas de cigarro de um resto de porção de batata e guardando as batatas pra usar com outra pessoa que comprava porção.
Tomem bastante cuidado, porque vocês nunca vão saber o que realmente estão consumindo. Isso não vale só pra boate, vale pra restaurante, lanchonete, casa da vó etc.
Também existia alguns esquemas de lavagem de dinheiro, eu não sabia muito sobre isso, só ouvia a respeito. Mas alguns eventos em fazendas particulares, reunia bastante magnata e alguns amigos afirmavam que rolava um esquema de lavar dinheiro tenebroso. E que muitas boates são usadas pra isso. Sobre isso não posso afirmar com certeza, isso foi só um boato que eu ouvia e acreditava, por tudo o que eu já presenciei lá.
Para atrair homens para festa, o promoter dava brindes, cortesias e até dinheiro pra algum grupo de meninas fazer volume na porta da boate. Já dava as instruções para elas irem super maquiadas, roupas curtas e ficarem bem visíveis. A panfletagem nas ruas e nas faculdades, era sempre feito por meninas bonitas e com roupas curtas. O próprio promoter que cuidava da casa, fazia uma propaganda ferrenha no Facebook. Pra cada 5 mulheres que ele marcava no post, ele marcava 1 homem, por exemplo. E pedia pras meninas confirmarem presença no evento divulgado no Facebook. Tudo isso pra dar a impressão que naquela festa tem mais mulher do que homem.
Parte 5 Então, o homem escravogina, solitário e carente, via aquele harém pela baguetala de R$ 30,00 o ingresso... Era casa cheia na certa. Uma vez lá dentro, o cara até parcela a consumação no cartão de crédito. A maior dificuldade é sempre fazer o homem entrar na boate, porque depois que está lá dentro, já era.
Um pouco do lado obscuro:
As mulheres nunca me cantaram no balcão com um real interesse em mim. Geralmente, aparecia uma mediana que estava de favor na festa, jogar um charme pra tentar descolar um drink de graça. Como eu não dava, saíam nervosas e davam chiliques. Mas alguns colegas davam, e só ganhavam um sorrisinho de volta e a menina nem voltava mais no bar, senão pra tentar pegar outro drink na faixa. Mas para meus colegas, aquele sorrisinho era sinônimo de um casamento. kkkkk
Elas sempre pediam para o acompanhante delas levantar e buscar bebida no bar, jamais ela ia sozinha ou ia junto com ele. E nesses momentos, esses prazos de 5 e 10 min, é onde ela flertava com muitos outros homens. O cara saia da mesa para buscar mais bebida para ela, e ela levava aquelas bulinadas do cafa de leve, pra elas era como se estivessem numa sauna greco-romana.
Banheiro de deficiente físico sempre foi usado como quarto de sexo. Isso era unânime em todas casas que trabalhei e eventos que fiz, era só jogar um "café" na mão do segurança, que o próprio segurança vigiava a porta pra não deixar ninguém interromper a trepada. Aqui era onde muito cara com físico bom e pouca grana, algumas vezes ganhava a noite. Ele não precisava de carro, nem de levar no motel, nem nada, torava a menina na lá no banheiro e só dava uma gorjeta pro segurança. Havia vezes que garotas de programas trabalhavam discretamente nos eventos, em parceria com os seguranças. Elas davam uma grana pra eles, e ela fazia o trabalho. A mesma menina, que nem parecia puta, ás vezes transava com 3 ou 4 cara na mesma noite, sem ninguém nem desconfiar que rolava uma fita dessa lá dentro. Mas como nada fica discreto pra sempre, começou querer haver CONCORRÊNCIA, outras meninas também queriam, e aí começou virar bagunça até que o dono deu um jeito de cortar ameaçando os seguranças de demissão.
Muita gente FINGIA ficar bêbada pra ter desculpas para fazer merda. Isso eu via muito, e a maioria sempre era mulheres. Elas subiam na mesa, faziam danças sensuais, ligavam para ex, pegava no pinto do caras, traiam os namorados, enfim, fingindo completamente que estavam bêbadas. Eu sabia que era fingimento, porque eu tinha um certo controle de quem bebia no bar, dava pra saber o quanto a pessoa consumiu e tinha menina que tomava duas cervejas e começava a fazer merdas, só pra ter um monte de cara endeusando elas e poder fazer uma putaria "sem culpa". E quem fica bêbado com duas cervejas? Mas tinha muito idiota que caía.
Certa vez, trabalhei em um evento que veio uma Dj que era da Espanha, senão me engano. Não lembro o nome, mas era uma menina baixinha com trejeitos de sapatão, cabelos raspados do lado e tranças onde tinha cabelo. Quem é mais ligado em música eletrônica deve saber o nome, eu não lembro. (Ela é aquele tipo de dj desconhecido no país onde mora, mas quando vem pro Brasil, faz sucesso, porque brasileiro é lambe-saco de gringo.) Eu sei que foi um evento que todo mundo quis ir, mas o lugar estava lotado, ingressos caros e etc. Havia uma menina que estava lá dentro, mas queria passar mais cinco amigas pra dentro da festa na faixa. O segurança não deixava. Até que uma delas ofereceu um boquete pra ele. Não foi nem o cara que pediu. A própria menina ofereceu. Obviamente, ele não recusou. Deram um jeito de ir pro estacionamento da fazenda e mandou ver. Entrou as cincos. Depois vi essa mesma menina beijando um playboy na mesma festa, o que me embrulhou o estômago. E com o tempo, ela foi ganhando fama de boqueteira entre os seguranças, então toda festa grande, os caras quase saiam no tapa pra decidir quem ia ficar na portaria, porque já sabiam que ela ia aparecer por ali. Afinal, ela não tinha grana e não tinha jeito de entrar, mas queria estar no meio dos playboys. E ela virou figurinha marcada mas depois sumiu. Um belo dia, num pubzinho, eu tava na porta conversando com os seguranças, ela me desce do carro de mãos dadas com um playboy. O segurança cumprimentou ela, e ela fingiu que não conhecia(sendo que ela tinha um passado negro com ele). Cumprimentou apenas o dono do pub e falou que agora estava noiva do fulano de tal. O cara tinha grana, a julgar pelo carro que ele tinha na época. E depois nunca mais víamos ela nas festa, e quando ia, ia acompanhada dele.
Que fique claro que não estou querendo criar ódio por boates, é só um relato do que vivenciei. O cara que quiser ir, não se prenda no que eu falo não, só fique atento. Hehe
Parte 6 Fico feliz em saber que tem alguma utilidade minhas observações. É impressionante o que você enxerga por trás das coisas somente observando. Nem precisa ser clarividente. hehe
Com o decorrer do tempo vou dando um up aqui com as histórias banais.
Mas acho que o mais importante que eu queria ter compartilhado com vocês a respeito das boates, era a questão de como fraudávamos bebidas. Porque isso é algo que prejudica a saúde dos consumidores a longo prazo, e além de pagar caro por algo que você nem sabe o que é. É algo que me arrependo de ter feito, embora fosse meu trabalho, então eu sempre tento alertar as pessoas que vão em boates para ficar espertas nesse sentido.
As histórias das perícias femininas são coisas bem baixas, praticamente histórias de filmes pornôs. Mas nada diferente do que acontece fora da boate, também.
Eu achava mais interessante o comportamento masculino do que o feminino, e aprendi muito observando caras que estavam caídos, usando a tal lógica reversa. Por exemplo, nas festas acontecem muitas frustrações, e na minha condição de barman, muitas vezes acabávamos fazendo um papel de ouvinte e psicólogo. Muitos homens bebem para amenizar as dores, e quando encontram alguém para ouvir os problemas deles, os caras desabam. Geralmente, esse alguém é o barman, o garçom... Ninguém do outro lado do balcão, nem os próprios amigos do cara, o acolhem nesse momento. E aqui vivenciei muitas situações constrangedoras, de caras enormes de tamanho, chorando feitos beberrões na minha frente. Era engraçado, porque eu sou um cara pequeno e mais duro emocionalmente do que eles(que em teoria, pareciam ser os caras mais frios do mundo) . hehe
Eu não podia fazer muita coisa a não ser ouvir e guardar aquelas histórias como experiências. Eu praticamente nunca consegui ajudar nenhum cliente. Todos eles queriam ouvir que a esposa era exceção, que mesmo traídos deveriam dar segunda chance, que ele era o errado da história, etc. Nenhum aceitava qualquer ponto de vista diferente em que a sua companheira fosse uma pessoa ruim. E ás vezes, discutiam comigo defendendo a esposa após eu aplicar pequenas injeções de real. Mas com tempo percebi que era inútil tentar salvar alguém, porque existe homens que se acomodaram a viver numa lama emocional que tem até medo de sair dali. Eu no máximo consegui algumas amizades, que me ajudaram depois a arranjar outro emprego melhor, mas, os caras infelizmente vivem a mesma vida que levavam, com migalhas emocionais, dores profundas e um depressão que eles tentam abafar com bebida, gerando lucro pra alguém que se aproveita da fraqueza emocional desses mesmo caras.
Acho que se o cara assimilou bem a real, é esperto, tem uma grana pra gastar que não vai fazer falta, tem problema nenhuma ir em boate. O único problema que vi mesmo é o cara pobre que se endivida achando que vai ter sexo fácil ou o ingenuo que vai achando que vai encontrara mulher da vida dele lá.
submitted by galoccego to brasilivre [link] [comments]


2020.06.24 22:48 whote__ historia nada a ver mas precisava desabafar pq sinto que vou EXPLODIR

Não sei bem por onde começar, mas bem... Oi turma :) Prefiro deixar meu nome em off, queria contar uma historia que aconteceu/vem acontecendo há um tempo e eu sinto que vou sufocar se não conseguir falar isso pra alguem... Eu comecei a namorar um colega de faculdade no começo de 2019, ele tinha uma fama de sempre ser escroto com garotas, de ficar falando mal pelas costas, achei que fosse mentira, até pq na faculdade eu também tinha fama de piranha, mesmo sem ser (só havia ficado com duas pessoas da universidade inteira durante os 3 anos que cursei, larguei logo em seguida o curso). Enfim, mesmo se ele fosse essas coisas, achei que poderia mudá-lo... Bom, no começo era incrível, a gente se divertia muito, nosso ciclo social era o mesmo, então era muito mais fácil. A gente costumava ir muito pra barzinhos, bebia muito, mas eu nunca quis fazer nada a mais com ele, nunca me senti confortavel pra fazer coisas com ninguem e também nunca sequer senti vontade. Até ai tudo ok, até que um dia eu tava muito bebada e pedi pra ele me levar pra casa, encostei a cabeça no vidro do carro e fui dormindo no caminho, quando acordei ele tava me levando pra um motel, e eu entrei em panico e simplesmente desci do carro e sai andando sozinha na rua, de madrugada, até encontrar um posto de gasolina e então pedi um uber de lá. Depois desse dia eu decidi terminar, mesmo gostando muito dele. Passou um tempo, eu tava num role com uns amigos, ai acabaram soltando que ele tava ficando sério com uma menina (que se dizia muito minha amiga), e não faziam nem duas semanas que a gente tinha terminado, e eu no auge do alcool e da minha falta de noção, liguei pra ele, falei que tava com muita raiva, que amava ele, e tudo ele respondendo que se sentia do mesmo jeito, que queria ficar comigo mas não ia terminar com a carls só pq eu tava pedindo pra voltar. Enfim, mesmo com todo esse drama, ele continuou com ela, mas toda noite me ligava, falando que me amava e um monte de coisa linda, tal dia eu resolvi confrontar a menina, pq ela era minha amiga ne? Ela falou que não quis me dizer nada pq não queria me magoar, que ela tava apaixonada por ele e que sim, eles iam acabar namorando. Até que na vespera do meu aniversario, fui num evento na faculdade, que eu ja tinha largado nessa época, e como eram os melhores amigos que tinham organizado, eu fui pra dar meu apoio (e pra beber de graça também ne kkkk). Ele tava lá, e a menina não, acabou que o evento terminou umas 22h e eu disse que queria virar meu aniversário junto com a galera, dai a gente foi pra um barzinho e ficou por lá até meia noite, dai quando a gente tava indo pra cara, ELE insistiu com o pessoal pra deixar eu e meu melhor amigo em casa (pq a gente mora muito perto) dai ele deixou meu amigo em casa primeiro, e eu tava extremamente alterada, dai na hora que ele parou na porta da minha casa ele me beijou, e eu trouxa apaixonadinha deixei, mas ele ainda tava com a garota. Ok né, depois desse dia a gente voltou, só que as coisas ficaram meio estranhas, ele insistia pra me buscar na faculdade todo dia (eu tinha começado outro curso, a aula acabava 23h e ele morava do outro lado da cidade), ele ficava com raiva se eu não respondesse ele no whatsapp quando eu tava no trabalho, ou ficava puto pq quando eu chegava em casa e dormia, e ainda ficava entrando no assunto de sexo constantemente, e eu nao queria, sinceramente nao queria. Minha rotina era extremamente puxada, eu tava treinando pra um campeonato nacional (sou atleta de mma), entao de 7h até umas 10h~11h eu treinava, corria pra entrar no trabalho 12h e saia 19h e depois corria pra faculdade pra entrar 19h e sair 21h, então muitas vezes eu nao queria sair no fim de semana, eu so queria descansar, e ele tinha muita raiva disso. Até que no começo desse ano, bem no começo de janeiro, eu decidi terminar, pq nao tava conseguindo priorizar ele da maneira que ele queria, mas ai começou o problema, primeiro que quando eu falei que queria terminar ele soltou um "eu devia ter escutado meus amigos e nao ter namorado uma puta como voce", e detalhe que ele sempre ficava trazendo coisas do meu passado como se fossem muito erradas, tipo eu ter ficado com pessoas (????) como se fosse super errado... No dia que terminei, ele passou a noite inteira com o carro estacionado na frente da minha casa, e no outro dia e no outro... Começou a aparecer no meu trabalho, no estacionamento da minha faculdade, e foi ai que minha sindrome do panico voltou a atacar, comecei a ter crise de ansiedade, ataque de panico so de ver carro igual ao dele na rua. Então chegou ao ponto que eu não conseguia mais sair de casa, só consegui sair lá pro final de março, depois dos meus amigos insistirem muito, então a gente foi, curtiu uma noite muito daora, foi super divertido, uma dia perfeito. Mas como nada pode ser perfeito, quando a gente tava do lado de fora do barzinho decidindo qual ia ser a rota do uber, ele apareceu la do nada, ninguem tinha falado, ninguem tinha postado nada, eu implorei pros meus amigos nao falarem pra ninguem onde a gente ia estar, mas lá tava ele, sozinho no lugar que a gente tava. Eu comecei a passar mal, e pedindo pra ele ir embora, e ele dizendo que queria conversar comigo e que me deixava em casa, depois dele insistir muito e de contraria todos meus amigos eu aceitei ir com ele pra ver o que ele tinha pra falar, foi a pior ideia da minha vida. Então a gente tava no carro e ele começou a falar como eu tinha sido ingrata, como eu tinha sido uma namorada ruim e eu tava tão focada na conversa que não percebi que de novo ele tinha me arrastado pra um motel, e começou a insistir pra eu entrar com ele pq ele queria so terminar de conversar, e a gente nunca tinha como, e então eu nao aceitei, eu tava com medo, queria ir pra casa, meu celular tava descarregado, e ele começou a insistir que eu subisse, e eu nao queria, até que consegui me soltar dele e, posso estar louca mas posso jurar que ele me empurrou da escada, mas foi meu jeito de fugir e sai correndo até chegar na recepção e pedi pro cara chamar um uber pra mim, meu braço tava doendo muito. Consegui sair de la, cheguei em casa chorando mas não podia contar o que tinha acontecido/o que vinha acontecendo pros meus pais pq eles são muito crentes e iam acabar me culpando por tudo, então inventei uma historia qualquer pra minha mãe pq ela ja tava com muita raiva de mim por estar chegando 4h da manha em casa, então tomei um banho e fui dormir, e com meu braço doendo muito. No outro dia meu braço tava super inchado, minha caixa de mensagem lotada de mensagens dele me xingando. Fui no hospital bater um raio x do braço, descobri que tinha quebrado, acabei perdendo o campeonato que eu tanto treinei pra participar e ficou por isso. Logo em seguida perdi meu emprego por conta da quarentena, tenho zero ideias de como vou pagar minha faculdade proximo semestre, e até hoje recebo constantemente mensagens dele me xingando e no outro dia pedindo desculpas pq ele me ama... Isso consome minha cabeça 24/7, penso nisso o tempo todo, tenho pesadelos todas as noites, então so durmo a base de remedio, e nunca pude contar nada pra minha familia pq eu que estaria errada nisso tudo. Peço desculpas a quem leu até aqui, eu literalmente so precisava desabafar...
submitted by whote__ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.22 03:20 Joao-Leao-277 Fiz minha namorada cortar relações com o melhor amigo dela (podem julgar e dar conselhos)

Olá a todos!
Bom, em 2017 eu comecei a namorar uma garota, conheci ela numa festa de aniversário de uma amiga e lá mesmo nós percebemos que rolou um clima entre a gente, infelizmente ela era de São paulo capital e eu do interior desse mesmo estado, começamos a namorar a distancia depois de alguns meses, gastávamos em média uns 400 reais sempre que iriamos nos ver.
Enfim, depois de algum tempo no relacionamento nós decidimos trocar as senhas dos nossos facebooks (não foi por falta de confiança nem nada, e eu apenas dei minha senha pra ela, nunca exigi que ela faça o mesmo, mas ela fez voluntariamente), então eu não me aguentei e fui ver a conversa dela com esse amigo, eu já sabia que ela gostava muito dele no passado e já chegou a querer namorar com ele, por isso não resisti e fui olhar a conversa deles, a principio era tudo normal, até eu chegar um pouco mais afundo no chat, me deparei com várias insinuações sexuais da parte dele, mas o que me machucou foi ver que muitas vezes ela retribuía, e as vezes ela mesma tinha a iniciativa, além dessas insinuações eu vi que ele tratava ela muito mal, xingando e desrespeitando, xingamentos pesados que acabavam com a autoestima dela, mas pra ele era ''brincadeira''.
Foi ai então que eu não me aguentei e liguei pra ela de madrugada, mostrei os prints das conversas entre eles, disse que me senti traído( eles nunca se viram pessoalmente só tinham amizade pela internet, apesar de ser oito anos de amizade ele nunca quis encontrar ela, a casa deles ficavam mais ou menos umas 3h de viagem pegando ônibus e metro), mesmo que as insinuações sexuais fossem só virtuais, eu ainda fiquei muito abalado e confrontei ela dizendo que ela deveria escolher entre namorar comigo e ser amiga dele, ela me disse que as conversas que eu vi eram de meses atrás (de fato eram, mas ela passou no minimo dois meses no começo do nosso namoro falando essas coisas com ele) e que eles não tinham mais aquele tipo de conversa e que eu não posso fazer ela abandonar um amigo só porque eu quero porque assim eu seria um namorado controlador, mas eu disse que ela também não poderia me obrigar a namorar com ela, e que enquanto ela tivesse relações com pessoas como aquele cara que fazia mal pra ela, eu não ficaria com ela, ela chorou muito, mas decidiu ficar comigo, bloqueou ele em todas as redes sociais, ele tentou falar comigo mas eu não dei bola.
hoje em dia a gente tem um bom relacionamento, eu demorei pra parar de ficar triste com ela, e até hoje ainda tenho essa cicatriz, mas eu sinto que ela me ama muito e eu também a amo.
enfim, eu fui o babaca por ter feito ela terminar a amizade com o melhor amigo?
submitted by Joao-Leao-277 to desabafos [link] [comments]


2020.06.21 23:32 Joao-Leao-277 Fui babaca por fazer minha namorada cortar totalmente o contato com seu melhor amigo?

Olá a todos!
Bom, em 2017 eu comecei a namorar uma garota, conheci ela numa festa de aniversário de uma amiga e lá mesmo nós percebemos que rolou um clima entre a gente, infelizmente ela era de São paulo capital e eu do interior desse mesmo estado, começamos a namorar a distancia depois de alguns meses, gastávamos em média uns 400 reais sempre que iriamos nos ver.
Enfim, depois de algum tempo no relacionamento nós decidimos trocar as senhas dos nossos facebooks (não foi por falta de confiança nem nada, e eu apenas dei minha senha pra ela, nunca exigi que ela faça o mesmo, mas ela fez voluntariamente), então eu não me aguentei e fui ver a conversa dela com esse amigo, eu já sabia que ela gostava muito dele no passado e já chegou a querer namorar com ele, por isso não resisti e fui olhar a conversa deles, a principio era tudo normal, até eu chegar um pouco mais afundo no chat, me deparei com várias insinuações sexuais da parte dele, mas o que me machucou foi ver que muitas vezes ela retribuía, e as vezes ela mesma tinha a iniciativa, além dessas insinuações eu vi que ele tratava ela muito mal, xingando e desrespeitando, xingamentos pesados que acabavam com a autoestima dela, mas pra ele era ''brincadeira''.
Foi ai então que eu não me aguentei e liguei pra ela de madrugada, mostrei os prints das conversas entre eles, disse que me senti traído( eles nunca se viram pessoalmente só tinham amizade pela internet, apesar de ser oito anos de amizade ele nunca quis encontrar ela, a casa deles ficavam mais ou menos umas 3h de viagem pegando ônibus e metro), mesmo que as insinuações sexuais fossem só virtuais, eu ainda fiquei muito abalado e confrontei ela dizendo que ela deveria escolher entre namorar comigo e ser amiga dele, ela me disse que as conversas que eu vi eram de meses atrás (de fato eram, mas ela passou no minimo dois meses no começo do nosso namoro falando essas coisas com ele) e que eles não tinham mais aquele tipo de conversa e que eu não posso fazer ela abandonar um amigo só porque eu quero porque assim eu seria um namorado controlador, mas eu disse que ela também não poderia me obrigar a namorar com ela, e que enquanto ela tivesse relações com pessoas como aquele cara que fazia mal principalmente pra ela, eu não ficaria com ela, ela chorou muito, mas decidiu ficar comigo, bloqueou ele em todas as redes sociais, ele tentou falar comigo mas eu não dei bola.
hoje em dia a gente tem um bom relacionamento, eu demorei pra parar de ficar triste com ela, e até hoje ainda tenho essa cicatriz, mas eu sinto que ela me ama muito e eu também a amo.
enfim, eu fui o babaca por ter feito ela terminar a amizade com o melhor amigo?
submitted by Joao-Leao-277 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.21 23:21 Joao-Leao-277 Fui babaca por fazer minha namorada cortar totalmente o contato com seu melhor amigo?

Olá a todos!
Bom, em 2017 eu comecei a namorar uma garota, conheci ela numa festa de aniversário de uma amiga e lá mesmo nós percebemos que rolou um clima entre a gente, infelizmente ela era de São paulo capital e eu do interior desse mesmo estado, começamos a namorar a distancia depois de alguns meses, gastávamos em média uns 400 reais sempre que iriamos nos ver.
Enfim, depois de algum tempo no relacionamento nós decidimos trocar as senhas dos nossos facebooks (não foi por falta de confiança nem nada, e eu apenas dei minha senha pra ela, nunca exigi que ela faça o mesmo, mas ela fez voluntariamente), então eu não me aguentei e fui ver a conversa dela com esse amigo, eu já sabia que ela gostava muito dele no passado e já chegou a querer namorar com ele, por isso não resisti e fui olhar a conversa deles, a principio era tudo normal, até eu chegar um pouco mais afundo no chat, me deparei com várias insinuações sexuais da parte dele, mas o que me machucou foi ver que muitas vezes ela retribuía, e as vezes ela mesma tinha a iniciativa, além dessas insinuações eu vi que ele tratava ela muito mal, xingando e desrespeitando, xingamentos pesados que acabavam com a autoestima dela, mas pra ele era ''brincadeira''.
Foi ai então que eu não me aguentei e liguei pra ela de madrugada, mostrei os prints das conversas entre eles, disse que me senti traído( eles nunca se viram pessoalmente só tinham amizade pela internet, apesar de ser oito anos de amizade ele nunca quis encontrar ela, a casa deles ficavam mais ou menos umas 3h de viagem pegando ônibus e metro), mesmo que as insinuações sexuais fossem só virtuais, eu ainda fiquei muito abalado e confrontei ela dizendo que ela deveria escolher entre namorar comigo e ser amiga dele, ela me disse que as conversas que eu vi eram de meses atrás (de fato eram, mas ela passou no minimo dois meses no começo do nosso namoro falando essas coisas com ele) e que eles não tinham mais aquele tipo de conversa e que eu não posso fazer ela abandonar um amigo só porque eu quero porque assim eu seria um namorado controlador, mas eu disse que ela também não poderia me obrigar a namorar com ela, e que enquanto ela tivesse relações com pessoas como aquele cara que fazia mal principalmente pra ela, eu não ficaria com ela, ela chorou muito, mas decidiu ficar comigo, bloqueou ele em todas as redes sociais, ele tentou falar comigo mas eu não dei bola.
hoje em dia a gente tem um bom relacionamento, eu demorei pra parar de ficar triste com ela, e até hoje ainda tenho essa cicatriz, mas eu sinto que ela me ama muito e eu também a amo.
enfim, eu fui o babaca por ter feito ela terminar a amizade com o melhor amigo?
submitted by Joao-Leao-277 to EuSouOBabaca [link] [comments]


2020.06.15 20:18 leo_nader EU NÃO SOU O LUBA, MAS TENHO UMA EX-LÉSBICA

(TERCEIRA VEZ QUE TENTO MANDAR ESSA HISTÓRIA, SE O ADM PERMITIR VOU TENTAR ATÉ CHEGAR NELE)
Olá Luba, Misty e Galadriel (Só os gatos merecem oi). Eu sou Carioca, se você quiser pode tacar um sotaque arraxxxxxxtado. Vamos a história... Eu tenho um grupo de amigos que se encontrava num parque aqui do Rio de Janeiro e os encontros desses grupo eram praticamente: futebol, conversa, bebida e pegação. Eu tinha uns 16 anos (Atualmente eu tenho 20) e nunca tinha namorado na vida. Até que uma mina desse grupo ai começou a "zuar" que eu era o namorado dela e pa... Eu ficava desafiando e a mina acabou botando no face... Repercutiu muito com a galera do grupo e a gente acabou começando a namorar mesmo. Ela morava em outra cidade e era mais nova que eu (eu acho que tinha uns 15 anos na época). Então ela não tava podendo ir no parque lá pros encontros, nem se encontrar comigo em algum lugar, então a gente praticamente webnamorou por 1 mês... Ela era super legal comigo, e eu meio que fui passivo nesse namoro, porque tudo que ela falava eu fazia, e eu até comecei uma dieta porque ela queria emagrecer junto comigo, eu era muito submisso e queria fazer de tudo para deixar ela feliz. Até que surgiu a oportunidade da gente se ver finalmente, eu iria na casa dela onde teria a festa de aniversário dela, ela me chamou e chamou minha mãe também, porque elas desenvolveram uma amizade meio que no nível nora e sogra mesmo... Até chegar o dia do aniversário dela, eu fui em vários encontros com aquele grupo do parque lá, e eles já começavam a me zuar com coisas tipo: "cade tua namorada?' ou "como você começa a namorar sem beijar?", essas pilhas que jogavam em mim... Mas eu não ligava e continuava me guardando, mesmo tendo oportunidades de ficar com outras meninas, esse é meu jeito, fielzão mesmo... Até que finalmente chegou o dia de eu ir na casa dela finalmente ter contato com ela e pa, eu peguei um ônibus e uma van para ir pra la... Passou umas horas e eu cheguei lá na cidade dela. Lembra que eu falei que eu era passivo no relacionamento? Eu sempre fui muito tímido quando a questão é beijar, abraçar e essas coisas... E quando eu cheguei la não foi diferente, eu dei um daqueles colares de casal, no meu caso eram dois colares que formavam uma pokebola. Mas na festa ela conversava comigo como se fosse amigo dela, e ficava dando mais atenção pras amigas dela do que pra mim, os parentes dela sabiam que nós estávamos namorando e tal, então ficavam tirando fotos da gente achando fofo e tals... Até que uma tia la pediu pra gente dar um selinho pra fazer foto, e ela negou na hora arregalando os olhos, eu achei estranho, mas preferi não comentar nada porque era aniversário dela. Dai então ela voltou a falar com as amigas dela la sentada no colo de uma das amigas... Até minha mãe já tava achando muito estranho (mães tem radar para bosta) e a gente foi embora, eu decidi terminar com ela assim que cheguei em casa. Ela aceitou o término na hora, mas ela me pediu algo que fez minha dúvida virar certeza: "Eu posso pelo menos fingir que to namorando com você, pros meus pais?" Ela queria que eu ficasse fingindo ser namorado dela para ela usar de desculpa pros pais dela. Eu obviamente falei que não e dai a gente nunca mais se falou. Pouco tempo se passou e ela se assumiu lésbica e começou a namorar com a amiga que ela ficou no colo na festa. Meus amigos até hoje lembram disso e ficam me zuando com esse acontecimento. Na época eu era conhecido como o cara que namora sem beijar, e tudo que eu falava retrucavam com "pelo menos eu beijo antes de namorar". É isso Lubinha, eu também vou morrer sozinho... Sou seu fã desde o vídeo do Flappy Bird anos atrás, espero que leia um beijo se você quiser <3
submitted by leo_nader to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.14 05:19 Salamandra01_ O meu primeiro amor...

Olá, Lubinha, editores maravilhosos e caros telespectadores dessas terras tupiniquins. Queria começar agradecendo por você dar tanto espaço aos seus inscritos e foi por isso que tive coragem de compartilhar uma história muito importante da minha vida com vocês.
Completei o ensino fundamental todo em uma escola particular, pois graças a minha mãe e uma pitadinha de sorte consegui uma bolsa integral lá. E eu agradeço muito por ter estudado lá e conseguido ter uma boa educação, porém nem tudo são flores. Haviam algumas restrições lá e uma delas era justamente o controle sobre relacionamentos. Acontece que a escola não tinha ensino médio e eu tive que vir para uma escola pública aqui do meu bairro.
Quando cheguei lá, estava sem amigos (já que o pessoal da particular nunca fez muita questão de estar comigo, e ainda por morarmos longe), fiquei completamente perdido, afinal o ambiente era totalmente diferente. E foi aí que a minha vida começou a mudar: comecei a perceber que ao responder as perguntas dos professores eu era intitulado de nerd, por causa das minhas roupas mais casuais e por ter estudado numa escola particular eu era o riquinho da turma, e o pior de tudo: eu provavelmente era a única pessoa daquela escola que ainda não tinha beijado. Por sorte, acabei conhecendo bons amigos, inclusive o meu melhor amigo.
Passou o primeiro ano e essas questões estavam me preocupando cada vez mais, até que algo incrível aconteceu: a menina mais linda que eu já tinha visto entrou na minha sala e sentou em uma das mesas. Foi a partir dalí que eu não conseguia mais prestar atenção nas aulas, pois só tinha olhos pra ela. Eu não teria coragem de chegar nela, até mesmo porque a pouco tempo atras eu nem me importava com isso e então não tinha experiência nenhuma. Até que um dia teve uma palestra e ela por coincidência ganhou um livro de poemas. Eu nunca fui o tipo de cara que gosta de ler, mas aquela era a oportunidade perfeita para eu tentar me aproximar. Quando estávamos voltando pra casa eu a chamei, os amigos dela estavam com ela e eu estava morrendo de vergonha, mas tomei coragem e pedi para que ela me emprestasse o livro depois de ler. Foi assim que começamos a nos falar.
Até que um dia aconteceu a festa junina na nossa escola, e eu estava andando pra lá e pra cá com meu amigo, quando do nada eu e ele recebemos um bilhetinho dizendo que tinha alguém interessado em nós. Eu fiquei desesperado tentando encontrar quem mandou aquele bilhete, mas no meu coração eu tinha certeza que foi ela. Então um dia enquanto conversávamos eu tomei coragem e disse: eu gosto muito de alguém, mas eu tenho medo de falar porque pode ser que esse alguém que eu goste na verdade gosta do meu amigo (porque ela poderia ter mandado o bilhete pro meu melhor amigo ao invés de mim). E eu fiquei chocado quando ela respondeu: eu gosto de alguém, mas eu não sei o que fazer porque a minha melhor amiga também gosta dele. Bom... não preciso nem dizer que eu estava num mix de felicidade e preocupação. Conversamos bastante e decidimos que, apesar de inevitávelmente machucar alguém, eu gostava dela e ela gostava de mim, e não seria certo nós nos restringirmos por causa da amiga dela.
Meu primeiro encontro estava marcado, decidimos ir ao cinema. Eu cheguei quase 2 horas antes porque estava muito ansioso. Me levantava do banco e sentava a cada 5 minutos, as pessoas a minha volta deviam achar que eu era louco. Tinham dos caminhos pelos quais ela poderia chegar, eu ficava olhando pros dois lados sem parar, morrendo de ansiedade. Até que eu vejo ela vindo, não consegui me segurar, ela estava tão linda que eu abri um sorriso de uma orelha a outra. Nos cumprimentamos, demos uma volta antes de entrar e finalmente fomos assistir o filme. Quando estava na metade do filme eu sabia o que tinha que fazer, mas minhas pernas tremiam muito e eu não conseguia me mexer, até que eu decidi olhar para o lado e esperar ela me olhar de volta. Acontece que, ela era tão quanto ou mais envergonhada que eu então ela não olhou. Então eu cheguei perto dela e disse que queria beijá-la (kkkkkk nós ficamos rindo por um tempo), até que enfim nos beijamos... não vou mentir, tivemos que tentar umas seis vezes até rolar um semi-beijo (porque ela também não tinha beijado muitas pessoas). Depois daquilo eu abracei ela e continuamos olhando o filme. Por sorte, quando estava quase acabando eu lembrei de pedir pra ela olhar o meu rosto (eu estava cheio de batom kkkk). Saímos junto e voltamos pra casa, não queria estragar o resto do encontro então nem arrisquei tentar mais um beijo.
Bom... foi depois disso que tudo começou a desandar. Um dia enquanto conversávamos ela disse que precisava de um tempo para pensar, e quando ela voltou disse que era melhor nós pararmos. Meu chão desabou, começaram os piores dias da minha vida. Eu continuei ao lado dela como amigo, mas eu só estava me enganando... me machucava ficar ao lado dela só como amigo mas eu também não queria deixar de ser amigo dela. Começou um período de total confusão, ela tinha namorado por pouco tempo com uma menina ha um tempo atrás e parecia que nós estávamos competindo por ela. Isso continuou até o verão quando eu fui pra praia no ano novo, estavam todos comemorando e eu não conseguia parar de chorar pensando nela. Foi quando eu vi uma daquelas brincadeiras por status do Whatsapp onde precisa marcar entre uma semana atrás, um mês atrás, etc. E essa outra menina tinha marcado uma semana atrás para beijo... foi quando caiu a ficha. Não tinha sido eu o escolhido. Eu entrei no pior momento da minha vida, se eu já estava triste depois daquilo eu fiquei destruído. Depois que voltei das férias pedi para ela pra gente assistir um filme que já queríamos assistir há um bom tempo. Me diverti durante a tarde, tentei esquecer tudo o que tinha acontecido. Na hora de ir embora, ela me acompanhou até metade do caminho, eu dei o abraço mais forte que pude dar e me despedi. Fiz isso porque eu tinha tomado uma decisão: eu não queria mais sofrer... aquela era a última vez q a gente se falava.
Chegou o terceiro ano, minha rotina era ir pra escola, voltar pra casa e enterrar minha cabeça no computador fingindo que o mundo não existia. Meu melhor amigo tinha começado a namorar e eu já estava cansado de tudo aquilo. Eu sempre fui meio a moda antiga, e isso era um pensamento que me atrapalhava, porque eu já tinha deixado de ficar com as pessoas porque eu dizia que aquilo era ruim, que era errado ficar com alguém sem ter sentimentos (mas também grande parte era por medo da minha falta de experiência). Então por olhar pro lado e ver todo mundo feliz enquanto eu vivia triste, decidi que iria mudar... que eu nunca mais ia pensar em namorar na vida e que só ia viver de aventuras. Não durou muito tempo, afinal é impossível tentar ser quem você não é, continuava só com um beijo na ficha criminal.
Foi então que minha vida virou de ponta cabeça de novo... eu recebi uma mensagem dela. Foi a mensagem que mais abalou o meu coração, ela estava muito triste comigo por eu ter deixado de falar com ela porque ela realmente gostava muito de mim e eu me afastar dela foi suficiente pra ela perceber isso. Bom... eu fui um cuzão, mas posso me justificar por ter sofrido bastante, eu estava com medo de sofrer de novo, então eu disse pra ela que tinha mudado e que se ela quisesse eu só ia ficar com ela. Mas o sentimento foi mais forte, eu também sabia que gostava muito dela. Até que teve o aniversário do meu amigo, e eu pedi pra ela vir na minha casa antes para nós conversarmos antes de ir. Foi uma conversa bastante estranha, mas no fim decidimos dar uma chance pra nós, no fim eu fiquei tão empolgado que tentei dar um beijo nela, mas ela desviou e me pediu desculpa (o que era completamente compreensível devido a toda situação).
Foi então que começamos a ficar. Apesar disso, nós ainda não tínhamos tanta intimidade e não tinha rolado um beijo de verdade ainda. Eu ia pra casa dela mas nós ficávamos conversando, conversando mas ninguém tinha coragem de avançar. Até que um dia nós decidimos ficar nas escadas do prédio... e foi a mesma coisa, conversamos até a hora de eu precisar voltar pra casa. Eu estava completamente frustado comigo mesmo por mais uma vez não ter conseguido tomar iniciativa. Eu me levantei e nos abraçamos pra nos despedir, quando a luz da escada resolve apagar... nós ficamos um tempo abraçados e aí finalmente rolou. Foi um momento mágico, como se fosse o nosso novo primeiro beijo.
Depois disso começou a melhor parte da minha vida. Eu tinha uma namorada linda e era muito feliz ao lado dela. Então chegou aquele momento da relação onde precisávamos dar o próximo passo, acontece que nós dois tínhamos irmãos e era raríssimo ter um pouco de privacidade. Foi então que eu tive coragem de pedir para o meu pai me ajudar, então um dia marcamos dela pousar aqui. Naquela noite meu pai levou minha família pra sair e eu fiquei sozinho com ela. Estávamos assistindo um filme comendo pipoca, a ideia era esperar o filme acabar mas não tínhamos tanto tempo assim pra esperar. Aquele parecia o filme mais longo do mundo, até que eu olhei pra ela e disse: tu ainda quer ver o filme? (Eu sei kkkkk eu tenho um dom de constranger as pessoas), novamente nos rimos por um tempo até que ela disse que não queria mais assistir. Eu fui até a tv, abri no youtube e disse pra ela: você tem duas opções de playlist, a atual ou a clássica (kkkk bom... isso eu posso explicar, eu sempre comentava com meu amigo que algum dia eu iria fazer amor ouvindo aquelas músicas românticas clichês, porque eu realmente gostava delas). Pra minha surpresa, ela escolheu a clássica. Aquele era o momento mais feliz da minha vida, eu não estava acreditando no que os meus olhos viam, ela usava uma linda lingerie preta e a luz da tv na pele morena dela dava um contraste lindo a beça. Aquela foi a nossa primeira vez, um momento muito especial pra nós dois, a minha primeira vez e a primeira vez dela.
Acho que muitas vezes as pessoas esquecem que sentimentos mudam tudo. Nosso primeiro beijo, nossa primeira vez... obviamente não foram as melhores coisas do mundo, mas para mim e para ela foi, porque não se tratava de beijo ou de sexo, se tratava de amor.
Nós namoramos por bastante tempo, até que os problemas começaram a surgir e as diferenças começaram a nos atrapalhar. Ela era uma pessoa que gostava bastante de sair e eu era uma pessoa mais caseira, que gostava de cinemas, restaurantes, piqueniques. Além disso, eu sou uma pessoa extremamente carinhosa, já ela tinha uma maneira mais sutil de demonstrar carinho. Isso ao longo do tempo começou a ficar cada vez mais evidente, até que começou a machucar. No início nos fingimos que não estávamos vendo, porque amavamos muito um ao outro e não queriamos nem pensar na possibilidade de terminar. Mas infelizmente se tornou inevitável, nós tivemos algumas conversas mas para nós darmos certo era necessário que ambos mudassem, e nós não achavamos certo ter que mudar, afinal um relacionamento só da certo se ambos aceitam e conseguem suportar as diferenças. Foi então que a gente viu que não dava mais certo e resolvemos terminar. No fim, o sentimento não foi de raiva, não foi de tristeza. Decidimos continuar amigos porque a amizade um do outro importa muito pra nós, eu quero que ela seja feliz e sei que ela deseja o mesmo pra mim.
Com essa história gostaria de dizer que ter maturidade significa olhar pra trás e não ter vergonha do passado. Graças a ela eu me tornei uma pessoa melhor e aprendi muitas coisas. Aprendi com meus erros e vou me certificar de não errar da próxima vez. Nunca vou me esquecer dos nossos momentos juntos eu vou guardá-la pra sempre no meu coração.
OBS: sobre os bilhetinhos de festa junina, quando namoramos ela me contou que na verdade o bilhete que eu tinha recebido era da amiga dela e ela resolveu mandar pro meu amigo pela zueira kkk / outra coisa, ela foi muito importante pra eu mudar meu pensamento retrógrado, hoje eu sei que não tem nada de errado em ficar, e que na verdade é até bom pra conhecer a pessoa bem antes de tentar algo.
É isso, te amo Luba! Abraços!
submitted by Salamandra01_ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.13 01:13 matiasbarbizan É errado procurar alguém com que há apenas troca de olhares?

Bem gente o texto é curto porque não sei se estou sob o efeito da propaganda dos dia dos namorados, mas eu venho ficado meio preocupado comigo mesmo, se estaria agindo da forma certa, pra resumir eu to mesmo interessado em um garoto que pega metrô comigo, o problema é que não posso garantir se ele quer algo comigo mas tenho 90% de certeza, só que o problema é que devido a quarentena tenho aproveitado para chegar atrasado no trabalho as quinta e sextas, já que eu abro e não tem ninguém lá até o período da tarde, passo quase que despercebido, e são nesses dias que eu vejo ele, mas por ser metrô, não é sempre que consigo encontrar com ele, podia citar várias coisas pra provar meu ponto, mas eu queria saber se ficar procurando ele na internet é uma coisa errada? Faço o texto na esperança que talvez ele veja, mas mesmo ele vendo não sei se quero ser interpretado como desesperado, mas isso vai pro menino da linhas lilás com tatuagem. Edit: ele tem tatuagem na nuca.
submitted by matiasbarbizan to desabafos [link] [comments]


2020.06.08 07:03 leo_nader EU NÃO SOU O LUBA, MAS TENHO UMA EX LÉSBICA

(SEGUNDA VEZ QUE TENTO MANDAR ESSA HISTÓRIA, SE O ADM PERMITIR VOU TENTAR ATÉ CHEGAR NELE)
Olá Luba, Misty e Galadriel (Só os gatos merecem oi). Eu sou Carioca, se você quiser pode tacar um sotaque arraxxxxxxtado. Vamos a história... Eu tenho um grupo de amigos que se encontrava num parque aqui do Rio de Janeiro e os encontros desses grupo eram praticamente: futebol, conversa, bebida e pegação. Eu tinha uns 16 anos (Atualmente eu tenho 20) e nunca tinha namorado na vida. Até que uma mina desse grupo ai começou a "zuar" que eu era o namorado dela e pa... Eu ficava desafiando e a mina acabou botando no face... Repercutiu muito com a galera do grupo e a gente acabou começando a namorar mesmo. Ela morava em outra cidade e era mais nova que eu (eu acho que tinha uns 15 anos na época). Então ela não tava podendo ir no parque lá pros encontros, nem se encontrar comigo em algum lugar, então a gente praticamente webnamorou por 1 mês... Ela era super legal comigo, e eu meio que fui passivo nesse namoro, porque tudo que ela falava eu fazia, e eu até comecei uma dieta porque ela queria emagrecer junto comigo, eu era muito submisso e queria fazer de tudo para deixar ela feliz. Até que surgiu a oportunidade da gente se ver finalmente, eu iria na casa dela onde teria a festa de aniversário dela, ela me chamou e chamou minha mãe também, porque elas desenvolveram uma amizade meio que no nível nora e sogra mesmo... Até chegar o dia do aniversário dela, eu fui em vários encontros com aquele grupo do parque lá, e eles já começavam a me zuar com coisas tipo: "cade tua namorada?' ou "como você começa a namorar sem beijar?", essas pilhas que jogavam em mim... Mas eu não ligava e continuava me guardando, mesmo tendo oportunidades de ficar com outras meninas, esse é meu jeito, fielzão mesmo... Até que finalmente chegou o dia de eu ir na casa dela finalmente ter contato com ela e pa, eu peguei um ônibus e uma van para ir pra la... Passou umas horas e eu cheguei lá na cidade dela. Lembra que eu falei que eu era passivo no relacionamento? Eu sempre fui muito tímido quando a questão é beijar, abraçar e essas coisas... E quando eu cheguei la não foi diferente, eu dei um daqueles colares de casal, no meu caso eram dois colares que formavam uma pokebola. Mas na festa ela conversava comigo como se fosse amigo dela, e ficava dando mais atenção pras amigas dela do que pra mim, os parentes dela sabiam que nós estávamos namorando e tal, então ficavam tirando fotos da gente achando fofo e tals... Até que uma tia la pediu pra gente dar um selinho pra fazer foto, e ela negou na hora arregalando os olhos, eu achei estranho, mas preferi não comentar nada porque era aniversário dela. Dai então ela voltou a falar com as amigas dela la sentada no colo de uma das amigas... Até minha mãe já tava achando muito estranho (mães tem radar para bosta) e a gente foi embora, eu decidi terminar com ela assim que cheguei em casa. Ela aceitou o término na hora, mas ela me pediu algo que fez minha dúvida virar certeza: "Eu posso pelo menos fingir que to namorando com você, pros meus pais?" Ela queria que eu ficasse fingindo ser namorado dela para ela usar de desculpa pros pais dela. Eu obviamente falei que não e dai a gente nunca mais se falou. Pouco tempo se passou e ela se assumiu lésbica e começou a namorar com a amiga que ela ficou no colo na festa. Meus amigos até hoje lembram disso e ficam me zuando com esse acontecimento. Na época eu era conhecido como o cara que namora sem beijar, e tudo que eu falava retrucavam com "pelo menos eu beijo antes de namorar". É isso Lubinha, eu também vou morrer sozinho... Sou seu fã desde o vídeo do Flappy Bird anos atrás, espero que leia um beijo se você quiser <3
submitted by leo_nader to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.28 03:21 leo_nader Eu não sou o Luba, mas tenho uma Ex Lésbica

Olá Luba, Misty e Galadriel (Só os gatos merecem oi). Eu sou Carioca, se você quiser pode tacar um sotaque arraxxxxxxtado. Vamos a história... Eu tenho um grupo de amigos que se encontrava num parque aqui do Rio de Janeiro e os encontros desses grupo eram praticamente: futebol, conversa, bebida e pegação. Eu tinha uns 16 anos (Atualmente eu tenho 20) e nunca tinha namorado na vida. Até que uma mina desse grupo ai começou a "zuar" que eu era o namorado dela e pa... Eu ficava desafiando e a mina acabou botando no face... Repercutiu muito com a galera do grupo e a gente acabou começando a namorar mesmo. Ela morava em outra cidade e era mais nova que eu (eu acho que tinha uns 15 anos na época). Então ela não tava podendo ir no parque lá pros encontros, nem se encontrar comigo em algum lugar, então a gente praticamente webnamorou por 1 mês... Ela era super legal comigo, e eu meio que fui passivo nesse namoro, porque tudo que ela falava eu fazia, e eu até comecei uma dieta porque ela queria emagrecer junto comigo, eu era muito submisso e queria fazer de tudo para deixar ela feliz. Até que surgiu a oportunidade da gente se ver finalmente, eu iria na casa dela onde teria a festa de aniversário dela, ela me chamou e chamou minha mãe também, porque elas desenvolveram uma amizade meio que no nível nora e sogra mesmo... Até chegar o dia do aniversário dela, eu fui em vários encontros com aquele grupo do parque lá, e eles já começavam a me zuar com coisas tipo: "cade tua namorada?' ou "como você começa a namorar sem beijar?", essas pilhas que jogavam em mim... Mas eu não ligava e continuava me guardando, mesmo tendo oportunidades de ficar com outras meninas, esse é meu jeito, fielzão mesmo... Até que finalmente chegou o dia de eu ir na casa dela finalmente ter contato com ela e pa, eu peguei um ônibus e uma van para ir pra la... Passou umas horas e eu cheguei lá na cidade dela. Lembra que eu falei que eu era passivo no relacionamento? Eu sempre fui muito tímido quando a questão é beijar, abraçar e essas coisas... E quando eu cheguei la não foi diferente, eu dei um daqueles colares de casal, no meu caso eram dois colares que formavam uma pokebola. Mas na festa ela conversava comigo como se fosse amigo dela, e ficava dando mais atenção pras amigas dela do que pra mim, os parentes dela sabiam que nós estávamos namorando e tal, então ficavam tirando fotos da gente achando fofo e tals... Até que uma tia la pediu pra gente dar um selinho pra fazer foto, e ela negou na hora arregalando os olhos, eu achei estranho, mas preferi não comentar nada porque era aniversário dela. Dai então ela voltou a falar com as amigas dela la sentada no colo de uma das amigas... Até minha mãe já tava achando muito estranho (mães tem radar para bosta) e a gente foi embora, eu decidi terminar com ela assim que cheguei em casa. Ela aceitou o término na hora, mas ela me pediu algo que fez minha dúvida virar certeza: "Eu posso pelo menos fingir que to namorando com você, pros meus pais?" Ela queria que eu ficasse fingindo ser namorado dela para ela usar de desculpa pros pais dela. Eu obviamente falei que não e dai a gente nunca mais se falou. Pouco tempo se passou e ela se assumiu lésbica e começou a namorar com a amiga que ela ficou no colo na festa. Meus amigos até hoje lembram disso e ficam me zuando com esse acontecimento. Na época eu era conhecido como o cara que namora sem beijar, e tudo que eu falava retrucavam com "pelo menos eu beijo antes de namorar". É isso Lubinha, eu também vou morrer sozinho... Sou seu fã desde o vídeo do Flappy Bird anos atrás, espero que leia um beijo se você quiser <3
submitted by leo_nader to TurmaFeira [link] [comments]


2020.03.09 15:13 SraGirassol 365 dias

Ontem, dia 8 de março de 2020, o meu relacionamento fez aniversário de um ano. Normalmente nós falamos ou escutamos “Eu fiz tantos anos de casado”, “Mês que vem é o meu aniversário de namoro”, mas quando nos referimos a uma data que envolve você e o seu parceiro para mim soa estranho o uso do “eu”. Claro, no dia a dia falo esse termo pela facilidade, porém - aos meus olhos - vejo o relacionamento como um “pacto” de amor, pode ser amizade ou namoro, você não deixa de sentir afeto pelo outro.
É uma união, um está para o outro assim como o oposto. Não é “eu”, ao invés disso, é “Nós”.
Na verdade, o relacionamento é dono de sua vida própria. Vejo como um filho. Cuidamos para ser saudável e evoluir da melhor forma possível. Evitamos brigas para não machucar nem ele e nem a gente, seus pais.
Olhando agora eu sinto tanto orgulho de chegar no ponto em que estamos. Um ano pode parecer muito, mas ainda é pouco. Pode parecer bobo ou até romântico (depende dos olhos de quem vê), mas eu gostaria de viver para sempre do lado dele. Depois de tantos anos só me decepcionando não só com homens, mas com os seres humanos eu sinto que encontrei alguém que posso realmente confiar meus sentimentos. Encontrei meu lar. Cresci aprendendo que era só eu, minha confiança não seria de ninguém. Mesmo tentando negar esse lado frio, era como me sentia. Estava tão sozinha... Querer confiar não significa que poderia.
Porém, com ele eu posso e confio.
Não sabia que encontrar meu atual namorado faria tão bem para mim, para ser sincera, antes de namorar eu pensava que isso não mudaria minha vida e que “namoro” era só mais uma das várias coisas que fazemos para nutrir o ego.
Mas, quem diria 🥰🥰
Estou tão feliz. Sinto-me realizada!!
Ele é tudo para mim e sou tudo para ele.
Um ano: check.
Fiz esse texto para registrar a data. Se for para esperar que alguém leia este texto, que seja ele. Comecei a usar Reddit por causa dele, e que bom! Caso alguém leia isso, esse é o meu registro de amor ao meu Mr. Something.
❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️
submitted by SraGirassol to u/SraGirassol [link] [comments]


2020.02.20 16:37 Archangel1902 Não está fácil.

Boa tarde, sou novo por aqui, procurei um lugar que eu pudesse desabafar e ao mesmo tempo receber alguns conselhos...acabei encontrando o reddit. Vamos lá.
Irá fazer um ano que conheci uma moça pela internet, a princípio, ela tem alguns problemas como depressão... procurei incentiva-la, dar apoio, uma pessoa com quem ela pudesse contar. Meses se passaram e nos aproximamos bastante, a amizade ganhou um toque de amor, carinho e afeto. "Amo-te" começou a ser mensagens comuns entre nós, assim como palavras de carinho, e uma preocupação recíproca um ao outro.
Entretanto, eu já escondi demais meus sentimentos com as pessoas, estou ciente que sou muito jovem e que posso mudar isso. E foi exatamente com ela que decidi mudar, eu a amo. Ao falar com ela sobre esse amor, relacionamento e por um toque mais aprofundado na nossa, até então, amizade, ela muda de assunto, fica "sem palavras" sobre o que dizer. Ela diz que isso é difícil para ela, pois entende que não é uma pessoa para se namorar, que é complicado para ela conhecer os familiares (O que me deixou com uma dúvida, uma vez que ela me contou que um dia foi para a casa do ex-namorado, que mora com a família, e acabou dormindo na cama dele) e até mesmo sair em público. Mas um detalhe, nós moramos muito longe um do outro.
Ela já namorou pela internet e com um rapaz da cidade dela, entretanto, esses namoros aparentemente foram bem desgastantes para ela.
Nós conversamos todos os dias, sempre acordo com o bom dia dela e ela acorda com meu boa noite em seu whatsapp. Ela já me disse que sou muito importante para ela, que não quer me perder, que quer minha companhia para sempre. As vezes eu fico um pouco off, e ela fica preocupada, manda mensagem, fica até um pouco chateada quando eu volto e me pergunta onde eu estava. Dar explicações sobre onde eu estava (Sempre em casa) já aconteceu algumas vezes.
Sinto que temos uma ligação forte, não gostamos de ficar longe do outro (sem falar no whatsapp). Só que isso se manterá apenas como amizade, eu gostaria que tivéssemos algo mais além do "melhor amigo". Por morarmos longe, tenho medo de perde-la para outro, pois quero muito bem a ela. Me lembro daquela música, "Só quero que você seja feliz, com ou sem mim...". Porém, a opção sem mim eu não imaginaria o tamanho da dor.
Enfim, esse é meu desabafo. O que eu posso fazer? Será que ela tem medo de aprofundar a nossa amizade? Ou o amor seria apenas de amigo? Eu já passei algumas noites tentado encontrar essa resposta. Conto com os conselhos de vocês mais experientes, pois para mim, isso tudo é novo.
submitted by Archangel1902 to desabafos [link] [comments]


2020.02.16 21:21 Ejeal Mais alguém tem a dolorosa sensação que nunca vai conseguir correr atrás do tempo desperdiçado?

Quando eu era adolescente, queria ter um emprego, mas minha mãe falava para eu somente estudar, pois temos uma condição financeira boa e ela me bancaria até que eu entrasse na faculdade e pudesse arrumar um estágio, aí minha vida profissional começaria e tal. Hoje me arrependo muito de ter seguido o conselho da minha mãe, pois eu poderia ter me desenvolvido melhor se tivesse começado antes.
Enfim... entrei na faculdade e mais ou menos no quinto semestre comecei a me desesperar, pois vi que algumas amigas minhas estavam conseguindo estágio e então comecei a procurar igual uma doida, como eu nunca tinha trabalhado antes foi um pouco difícil, fiquei uns 2 meses procurando de uma forma não tão efetiva, depois aprendi a procurar direito e fiquei mais 5 meses procurando até que consegui, muita gente fala que tive sorte, pq segundo elas, ngm consegue o primeiro emprego em poucos meses, isso geralmente demora um ano ou mais.
Fiquei feliz de ter arrumado o bendito estágio, era em um escritório de Advocacia, bem grande, com mais de 1200 advogados, um ambiente bem sério e fui percebendo eu ficava muito tímida naquele ambiente, principalmente pq meu time corria o risco iminente da minha chefe gritar com algum de nós na frente de todo mundo e era muito constrangedor quando ela fazia isso, fazendo com que eu ficasse ainda mais reservada, sem interagir muito com os outros e por causa disso minha chefe me demitiu depois de 6 meses (e depois acabou demitindo meu coordenador de estágio tbm, que era um analista de RH sênior).
Agora estou procurando outro emprego, em recrutamento e seleção a nível de estágio, mas aparentemente a vida/Deus/os deuses/etc não deixam as coisas fluírem, pois tenho toda a qualificação e isso não é somente eu que digo, pelo contrário, quando faço entrevistas dizem que fui muito bem, mas sempre acontecem coisas que não estão sob meu controle, como por exemplo, a vaga repentinamente é cancelada, a pessoa que estava fazendo o meu processo de admissão pede demissão ou é demitida e todo o processo vai por água abaixo, ou então, eu passo na primeira fase e os recrutadores simplesmente esquecem de me chamar para a segunda fase, e eu fico sabendo disso, pois sempre me posiciono para saber o que aconteceu, ligo, mando e-mail e recebo essas informações, agora tenho 2 estágios obrigatórios da faculdade para fazer e não sei se convém arrumar um emprego nesse momento, pois parece que agora já está tudo perdido.
Outra coisa que acontece na minha vida, tenho 22 anos e nunca namorei, mas diferentemente do emprego, nunca corri atrás de um relacionamento, pois sempre fico com alguém e depois fico com preguiça de sair com aquela pessoa novamente ou então, fico meses conversando com alguém que conheci por app e fico muito apreensiva para encontrar a pessoa e acabo não indo, pois tenho medo da pessoa me achar chata ou feia e eu acabar sentindo que perdi meu tempo, o que eu queria mesmo era ter um amigo bem próximo e "de repente" essa amizade se tornasse um romance, mas o único amigo que eu sei tem interesse em mim é alguém que eu não me interessaria de forma alguma, também tenho muita preguiça de pessoas "muito sexuais", safadas, que parecem viciadas em sexo e eu sempre tenho a impressão que todo homem é assim. Fico bem com isso pois posso me satisfazer sozinha, e sei muito bem fazer isso, mas gostaria de ter alguém fixo, um namorado, para que eu pudesse me sentir normal.
Mais alguém com esses problemas ou algo parecido???
submitted by Ejeal to desabafos [link] [comments]


2020.02.10 03:25 AnaLu001 Não vejo futuro pra mim

Eu era uma pessoa estável emocionalmente, tinha bom currículo na faculdade e estagiava em uma empresa multinacional, com boas chances de contratação. Isso a cerca de 5 anos atrás.
Tudo mudou quando eu engravidei de um ficante. Tive que largar tudo pra criar meu filho sozinho pois o pai não quer nada. E tudo em minha vida começou a desandar aí.
Amo meu filho demais. Mas não é fácil. Meus pais me ajudam mas me sinto muito sozinha. Passei anos desempregada criando ele, e só consegui me empregar esse ano agora, em algo que não tem nada a ver com minha formação, que paga pouco e é temporário. Além de ser em uma área q eu acho chata mas tenho q fingir que tô gostando.
Pra variar passei ano passado a morar com minha mãe, que é aquela típica mãe narcisista que já vimos mto falar aqui nesse sub. Antes eu via morar com ela como algo sendo apenar temporário, que daqui a uns anos quando eu tivesse ganhando melhor conseguiria alugar um apartamento pra mim e meu filho.
Só que ano passado descobri ter um problema de saúde. Não é nada que vá me matar, provavelmente, e não quero entrar em detalhes, mas afeta minha qualidade de vida. Só ano passado precisei ser internada duas vezes.
Ou seja, imagine eu tar lá morando só com meu filho e passar mal sozinha em casa com ele? Não tem condições. Logo, só posso morar longe de minha mãe se tiver outra pessoa na casa tbm, ou meu filho já sendo mais velho, tipo lá prós 15 anos (ele tem 4)
Aí entra em outro problema meu. Eu adoraria encontrar alguém pra ter um relacionamento e poder dividir isso comigo, mas eu acho isso difícil tbm. Não só por ser mãe solteira nem nada. Depois de ter meu filho cheguei a ter um namorado e um quase namorado. Mas eu sempre acabo tendo um problema grande que é o fato de eu não ter tempo pra nada.
Eu trabalho, cuido da casa, de meu filho e querendo ou não de minha mãe que já tá ficando idosa. Nem toda semana eu tenho tempo pra sair. Vejo aqueles casais q tão juntos sempre e fico pensando q eu nunca vou poder ser assim pra ninguém.. mesmo quando eu saio sempre tô meio cansada e com sono. As vezes tendo tempo livre só quero ficar em casa dormindo.
Tenho dificuldades pra conhecer alguém tbm pois já passei por uma tentativa de estupro no passado então tenho um pouco de fobia de homem. Demoro pra conseguir me abrir com um. Recentemente eu me apaixonei por um grande amigo meu. Achei que poderia ser legal. Mas quando eu tentei criar um clima entre nós dois eu achei q ele meio que cortou. Ou seja, ele não tá mto afim e não tenho o que fazer.
De maneira geral, eu tenho estado estável cerca de 60 a 70 por cento do tempo. Mas tem momentos que eu fico muito mal. Percebo que acontece principalmente quando eu tô dirigindo. Acho que é pq sofri um acidente meio grave de trânsito recentemente e peguei trauma. Aí junta tudo. As vezes tô dirigindo e tenho crise de Pânico. Começo a lembrar de tudo o que eu passei e surto. Chego em casa chorando, me acalmo e boto meu filho pra dormir. Demoro pra dormir chorando.
Hoje eu gritei com meu filho. Ele não queria dormir. Nada demais.. mas eu gritei com ele. Eu não sou assim. Não sei o que me deu.
Não quero me tornar uma pessoa ruim nem ser ruim pra meu filho. Não quero desistir. Mas quero que meu sofrimento acabe. E nem contei todos os meus problemas nesse desabafo. Já perdi um amigo pro suicídio tbm. É foda. Já passei por coisa demais.
Não sei se consigo mais tentar fingir que tá tudo bom e normal depois de tudo isso que eu passei e ainda passo. Não tenho como fazer terapia tbm pois não tenho nenhum tempo livre mesmo.
Sei que vcs devem tar passando por momentos ruins tbm. Obrigada se alguém leu. Não se preocupem em comentar aqui.
submitted by AnaLu001 to desabafos [link] [comments]


2019.12.16 00:40 rafaelh3 Lição de vida...

Boas malta…
Antes de mais peço desculpa pela parede de texto...É uma história longa mas são necessários todos os pormenores para a perceber bem...
Venho partilhar a minha história convosco, uma história de amores e desamores. Já aconteceu há muito, mas é algo que me pesa e tenho que jogar cá para fora… Desde já peço desculpa por alguma linguagem menos própria.
Vivo com o meu avô numa grande mansão em Lisboa. Foi ele que me educou desde que o meu pai se suicidou. Nunca tive grande contacto com ele, foi quando era muito novo ainda, mas do que o meu avô contava ele não era uma pessoa com um carácter muito forte (fruto da educação religiosa e super proteccionista da minha avó, contra a vontade do meu avô). O desfecho do meu pai deveu-se à minha mãe, Maria Monforte. Parece que era um pouco interesseira e quando viu que o dinheiro do meu pai já não a satisfazia (não me quero ostentar, mas graças ao esforço do meu avô posso desfrutar do melhor que a vida tem para oferecer) fugiu com um italiano qualquer. O desgosto deu conta do meu velho, coitado…
Enfim, águas passadas não movem moinhos. O meu avô criou-me, qual segunda hipótese de criar um filho da maneira mais correta que ele via, com os valores e ideologias que ele achava mais correto, e atrevo-me a dizer que consegui corresponder às expectativas dele. Tornei-me num belo moço, capaz, um bom partido no general. Fui estudar Medicina para Coimbra, fiz o curso todo direitinho, e graças aos contactos do meu avô consegui logo montar uma clínica na Alta Lisboa onde tratei muito jet-set e alta socialite.
A vida corria bem, tinha o meu grupo de amigos, fazíamos muita merda juntos, fumávamos uns ópios, muita noite, muita soirée e festas. Enfim, um luxo de vida se me permitem o flex .
Gajas também, óbvio. Dada a minha posição social, riqueza e aparência não era motivo de preocupação meu. Mas sentia sempre qua faltava alguma coisa… A minha alma gémea ainda andava por aí e eu só precisava de a encontrar. Ainda tentei uma cena mais séria com uma miúda que conheci numa festa, mas não deu em grande merda. Ela era demasiado oca para mim.
Eis que entra a criatura mais perfeita que alguma vez pus a vista em cima. Malta, vocês não têm noção! Esta miúda tinha tudo! Bela de morrer, uma pele macia e bem-tratada, cabelos longos belíssimos, o olhar e lábios mays sexy que alguma vez vi, um corpo de morrer, tudo no sitio. E era super interessante, com uma personalidade top mesmo, divertido e astuta, inteligente e perspicaz. A minha alma gémea.
Acontece que a miúda já tinha namorado, um brasileiro qualquer, jogador da bola semi-profissional ou merda que lhe valha, mas eu pensei “que se foda essa merda, o amor é cego e eu já não vejo nada” e tentei fazer-me ao piso. Admito, fiz um stalk um pouco agressivo. Visto de fora, poderia parecer um bocado creepy, mas fodasse a miúda valia mais que a pena.
Fiquei uma beca desesperado, quando o meu trabalho não estava a dar frutos… até que fui chamado a casa dela para tratar da empregada residente. Jackpot! Chego a casa e o zuca não estava, tinha voltado para a Zucalândia por um período indefinido. Double Jackpot! Logo aí ao primeiro contacto eu e a miúda – Maria já agora - demos logo um click. Começámos a encontrarmo-nos mais vezes e eu cometi a loucura de comprar uma casa para vivermos os dois, e estarmos mais à vontade. Manos, que vida maravilhosa!
Entretanto, o cabrão do brasileiro voltou e descobre o que se andava a passar. “Já tá a puta armada” pensei eu. Andei bué stressado com essa merda, só a pensar que ele poderia vir de uma favela e já só me iam encontrar espalhado por esse mundo fora… Encontrámo-nos (estava todo cagado, tinha uma faca comigo, não fosse o Diabo tecê-las) e o cabrão faz-me uma revelação filha da puta… A miúda era amante dele! E basicamente deu-me carta branca para ficar com ela.
Triple Kill!
A vida soube ainda melhor depois disso! Tudo era uma maravilha. Tinha a minha Maria, o meu consultário e todos os dias eram uma benesse.
Mas claro que um desastre nunca vem só… Apareceu um gajo qualquer (emigrado lá da Quinta pata do cavalo ou merda do género) que queria falar com a Maria. Já estava a contar em ter que arrear algum ex ou assim, mas não. O mano conhecia era a mãe da Maria, e trazia um cofre endereçado a ela, da parte da mãe, que comprovava que ela era de famílias abastadas, e tinha direito a uma herança enorme!
Isso ia deixar a Maria feliz (ainda para mais agora que já não tinha o brasileiro, sentia-se mal de eu bancar as despesas todas), e a felicidade dela é a minha felicidade. Ela não estava em casa e eu aceitei a encomenda por ela. Quando vejo o nome do remetente cai-me tudo… Maria Mão Forte.
A Maria era minha irmã!
Não quis acreditar nessa merda, recusava-me. Depois de ter encontrado o verdadeiro amor, não ia ser uma partida do destino fodida que me ia arrancar isso das mãos. Não. Nem pensar.
Decidi ocultar isso da Maria e continuar a nossa relação.
As cenas nunca mais foram as mesmas mesmo assim… Instalou-se um clima entre nós, uma barreira que parecia intransponível… O meu avô soube e morreu de desgosto… Nunca me tinha contado de uma irmã perdida…
Como não poderia deixar de ser, a Maria descobriu que a nossa relação era incestuosa… O desgosto também fê-la pegar na parte da herança dela e emigrar para fora… Já eu decidi fazer uma viagem pelo mundo e espairecer, aceitar que o amor é um ideal impossível de atingir…
Amigos, quero que a minha história não vos deprima mas sim vos acorde. Cuidado que o amor da vossa vida, pode revelar-se a vossa irmã/o…
Cumprimentos amigos.
submitted by rafaelh3 to portugal [link] [comments]


2019.12.15 13:02 coracaopartido3 O meu coração dói todos os dias

Todos os dias eu penso nela e o meu coração dói, literalmente. Eu achava que o nosso amor era perfeito, conhecíamos um ao outro nas suas maiores profundezas, tanto psicologicamente quanto fisicamente. Não havia censura, eu dizia tudo aquilo que ia na minha cabeça e não me sentia julgado e ela também.
Ela disse que me amava e que ia terminar com o namorado mas nunca terminou, disse que não teve coragem, o namorado que trabalhava longe voltava a casa de 3 em 3 meses e permanecia durante 1 mês. Ela escapava para se encontrar comigo mas e era como se tivesse lâminas que me cortavam por dentro sempre que imaginava eles os dois na cama. Usei um monte de drogas diferentes para acalmar o sofrimento mas não resultou, de tão doloroso que era. Tentei acabar com ela mas voltei sempre, fui para a cama com outras mulheres mas ninguém era ela.
E eu me perguntava "porquê?". Se ela me amava e dizia que já não gostava dele, porquê é que ela não acabou com ele para sermos felizes juntos. Eu só encontrava uma justificativa: Dinheiro. Ele trabalhava fora e o salário dele era pelo menos 3x mais que o meu. Fiquei meio traumatizado com esse assunto do dinheiro, não parava de pensar nisso. Hoje em dia eu, uma pessoa que nunca ligou muito ao dinheiro, recebe quase tanto quanto o namorado dela num trabalho onde posso sentar o meu cu numa cadeira durante 6h e depois vou para casa e ao contrário dele não tenho que ir para o estrangeiro ficar chuva e sol numa obra mais do que 8h por dia. Aliás, ele só recebe mais dinheiro porque trabalha mais do que 8h.
Há uns meses usei MDMA e em vez de dançar a noite toda fiquei a pensar na vida, cheguei à conclusão de que o motivo pela qual ela não se separou dele não foi o dinheiro, foi porque ela tem um verdadeiro lar com ele e também porque ele a "resgatou" da separação dos pais dela e de todas as discussões, e levou para a casa dele. Agora tenho dois traumas: O dinheiro, e o facto de eu não ter um lar. Eu moro sozinho, afastei da minha família, sou só eu e nada posso fazer para mudar isso porque a minha família é totalmente disfuncional.
Ao fim de 3 anos, no fim da nossa relação, comecei a usar cocaína todos os dias. No início foi muito bom, até no trabalho o meu desempenho melhorou mas depois parece que deu alguma coisa em mim que fiquei com um ódio enorme dela. Ela começou a falar com outros homens do instagram, descobriu que o namorado andava a conversar com outra mulher e provavelmente fez outras coisas e mesmo assim não quis acabar com ele, apesar dela falar mal do namorado todos os dias por outras razões como ter ajudado a obter o empréstimo para uma casa do pai dela que foi à falência e de ter começado a mandar na casa. As nossas discussões ficaram cada vez piores e a cocaína me ajudou a ficar mais aceso, então decidimos acabar de forma amigável e voltar a falar 1 ano após.
Isso foi há 5 meses, ainda hoje penso nela todos os dias, ainda hoje só penso em ter mais e mais dinheiro e vestir coisas de marca para esfregar na cara dela, ainda hoje penso em bater nela sempre que lembro tudo o que ela me fez passar, ainda hoje me sinto um idiota autêntico por ter permitido que ela fizesse isso tudo comigo, ainda hoje quero contar tudo ao namorado e a todas as amigas para que toda a gente saiba quem ela é. Eu já tive algumas pessoas más na minha vida mas nunca tive alguém tão falsa quanto ela, que me tivesse feito sofrer tanto, eu nunca odiei tanto alguém na minha vida. Mas mesmo assim eu ainda sinto a falta dela, e o meu coração dói muito, não me consigo imaginar com mais nenhuma outra mulher.
Puta que pariu, quando é que este sofrimento vai parar? Quando é que eu a vou esquecer?
submitted by coracaopartido3 to desabafos [link] [comments]


2019.12.13 01:58 bs-arco_iris [Desabafo] Não consigo me conectar com a minha namorada a estar presente na realização do meu ex é psicopata?

Então gente, eu posso estar errada no que eu vou eventualmente encontrar alguem ou algo que eu me canse. No dia seguinte, na hora de ser quem eu sou de verdade...doi saber que eu nunca vou ter nenhuma na minha vida é um namorado. É que eu não tenho tanto prazer.
submitted by bs-arco_iris to BrasilSimulator [link] [comments]


2019.10.21 17:05 BernardoCamPt História dramática

Boas malta…
Antes de mais peço desculpa pela parede de texto...É uma história longa mas são necessários todos os pormenores para a perceber bem...
Venho partilhar a minha história convosco, uma história de amores e desamores. Já aconteceu há muito, mas é algo que me pesa e tenho que jogar cá para fora… Desde já peço desculpa por alguma linguagem menos própria.
Vivo com o meu avô numa grande mansão em Lisboa. Foi ele que me educou desde que o meu pai se suicidou. Nunca tive grande contacto com ele, foi quando era muito novo ainda, mas do que o meu avô contava ele não era uma pessoa com um carácter muito forte (fruto da educação religiosa e super proteccionista da minha avó, contra a vontade do meu avô). O desfecho do meu pai deveu-se à minha mãe, Maria Monforte. Parece que era um pouco interesseira e quando viu que o dinheiro do meu pai já não a satisfazia (não me quero ostentar, mas graças ao esforço do meu avô posso desfrutar do melhor que a vida tem para oferecer) fugiu com um italiano qualquer. O desgosto deu conta do meu velho, coitado…
Enfim, águas passadas não movem moinhos. O meu avô criou-me, qual segunda hipótese de criar um filho da maneira mais correta que ele via, com os valores e ideologias que ele achava mais correto, e atrevo-me a dizer que consegui corresponder às expectativas dele. Tornei-me num belo moço, capaz, um bom partido no general. Fui estudar Medicina para Coimbra, fiz o curso todo direitinho, e graças aos contactos do meu avô consegui logo montar uma clínica na Alta Lisboa onde tratei muito jet-set e alta socialite.
A vida corria bem, tinha o meu grupo de amigos, fazíamos muita merda juntos, fumávamos uns ópios, muita noite, muita soirée e festas. Enfim, um luxo de vida se me permitem o flex .
Gajas também, óbvio. Dada a minha posição social, riqueza e aparência não era motivo de preocupação meu. Mas sentia sempre qua faltava alguma coisa… A minha alma gémea ainda andava por aí e eu só precisava de a encontrar. Ainda tentei uma cena mais séria com uma miúda que conheci numa festa, mas não deu em grande merda. Ela era demasiado oca para mim.
Eis que entra a criatura mais perfeita que alguma vez pus a vista em cima. Malta, vocês não têm noção! Esta miúda tinha tudo! Bela de morrer, uma pele macia e bem-tratada, cabelos longos belíssimos, o olhar e lábios mays sexy que alguma vez vi, um corpo de morrer, tudo no sitio. E era super interessante, com uma personalidade top mesmo, divertido e astuta, inteligente e perspicaz. A minha alma gémea.
Acontece que a miúda já tinha namorado, um brasileiro qualquer, jogador da bola semi-profissional ou merda que lhe valha, mas eu pensei “caga nessa merda, o amor é cego e eu já não vejo nada” e tentei fazer-me ao piso. Admito, fiz um stalk um pouco agressivo. Visto de fora, poderia parecer um bocado creepy, mas JASSUS a miúda valia mais que a pena.
Fiquei uma beca desesperado, quando o meu trabalho não estava a dar frutos… até que fui chamado a casa dela para tratar da empregada residente. Jackpot! Chego a casa e o zuca não estava, tinha voltado para a Zucalândia por um período indefinido. Double Jackpot! Logo aí ao primeiro contacto eu e a miúda – Maria já agora - demos logo um click. Começámos a encontrarmo-nos mais vezes e eu cometi a loucura de comprar uma casa para vivermos os dois, e estarmos mais à vontade. Manos, que vida maravilhosa!
Entretanto, o cabrão do brasileiro voltou e descobre o que se andava a passar. “Já armaram estrondo” pensei eu. Andei bué stressado com essa merda, só a pensar que ele poderia vir de uma favela e já só me iam encontrar espalhado por esse mundo fora… Encontrámo-nos (estava todo cagado, tinha uma faca comigo, não fosse o Diabo tecê-las) e o cabrão faz-me uma revelação que até me apeteceu fundar uma faculdade horrível e chamar-lhe um nome à sorte tipo ISEP… A miúda era amante dele! E basicamente deu-me carta branca para ficar com ela.
Oh baby a triple!
A vida soube ainda melhor depois disso! Tudo era uma maravilha. Tinha a minha Maria, o meu consultório e todos os dias eram uma benesse.
Mas claro que um desastre nunca vem só… Apareceu um gajo qualquer (emigrado lá da Quinta pata do cavalo ou merda do género) que queria falar com a Maria. Já estava a contar em ter que arrear algum ex ou assim, mas não. O mano conhecia era a mãe da Maria, e trazia um cofre endereçado a ela, da parte da mãe, que comprovava que ela era de famílias abastadas, e tinha direito a uma herança enorme!
Isso ia deixar a Maria feliz (ainda para mais agora que já não tinha o brasileiro, sentia-se mal de eu bancar as despesas todas), e a felicidade dela é a minha felicidade. Ela não estava em casa e eu aceitei a encomenda por ela. Quando vejo o nome do remetente cai-me tudo… Maria Mão Forte.
A Maria era minha irmã!
Não quis acreditar nessa merda, recusava-me. Depois de ter encontrado o verdadeiro amor, não ia ser uma cena destas que ia deitar um garanhão raçudo como eu abaixo. Não. Nem pensar.
Decidi ocultar isso da Maria e continuar a nossa relação.
As cenas nunca mais foram as mesmas mesmo assim… Instalou-se um clima entre nós, uma barreira que parecia intransponível… O meu avô soube e morreu de desgosto… Nunca me tinha contado de uma irmã perdida…
Como não poderia deixar de ser, a Maria descobriu que a nossa relação era incestuosa… O desgosto também fê-la pegar na parte da herança dela e emigrar para fora… Já eu decidi fazer uma viagem pelo mundo e espairecer, aceitar que o amor é um ideal impossível de atingir…
Amigos, quero que a minha história não vos deprima mas sim vos acorde. Cuidado que o amor da vossa vida, pode revelar-se a vossa irmã/o…
Cumprimentos amigos,
Carlos Eduardo da Maia
submitted by BernardoCamPt to CopypastaPortuguesa [link] [comments]


2019.10.10 06:44 pinho07 Como escolher o amor da sua vida? Se é q existe o amor da sua vida...

Estou confuso quanto a começar uma vida amorosa, nunca namorei, mas posso começar em breve, só preciso me decidir. Sei q pode parecer estranho alguém tratar coisas do coração de modo tão racional, como se fosse natural controlar o momento de amar ou não. Considero o namoro um relacionamento muito sério q exige tempo, paciência, maturidade, respeito, etc. Tenho medo de causar sofrimento na outra pessoa por não saber amá-la suficiente ou então criar falsas expectativas ou então me frustar com o término desse relacionamento sendo preterido. No fundo, fico achando nunca ser bom o bastante para o outro, enfim... inúmeros medos bobos. Acredito q a união de dois seres é algo de extrema importância na nossa vida, não q seja imprescindível ou obrigatória para se ter uma vida melhor, mas dessa união podemos dividir o peso da vida e crescer em amor, alegria, paz e harmonia.
Outra coisa q meio q acredito, mas tbm não estou convicto se é verdade, é se temos de fato uma pessoa ideal para vivermos uma experiência afetiva. Alguns dizem alma gêmeas, tampa da panela, outra metade, etc, como se antes de nascermos já estivesse "escrito nas estrelas" q teremos uma pessoa q está em algum lugar do universo e no momento mais apropriado iremos nos encontrar e a mágica vai acontecer. Meio q acredito nisso pq pra mim é fato q acontece com muitas pessoas ao se ver "um certo alguém" ter sensações marcantes, aparentemente inexplicáveis, tendo o coração batendo mais forte. Uns dizem q é química, outros q é afinidade magnética, outros q são relações advindas de vidas passadas. O famoso "amor a primeira vista". Dentro dessa lógica imagino q pra ser uma união legítima deve haver reciprocidade, tenho q perceber ou sentir q o outro naturalmente tbm sente algo diferente por mim.
Mas tbm entendo q talvez toda essa história seja uma distorção romântica das relações humanas, afinal não temos como precisar ao certo todos os níveis do envolvimento emocional, existem heurísticas, vieses, circunstâncias q manipulam nossas sensações. Quantos casos existem de casais q juravam ser par perfeito e depois se desiludiram ou o contrário, pessoas q a princípio nunca se imaginaram juntas e depois passam a viver "felizes para sempre".
Diante disso, quando me sinto atraído por alguém interpreto q não necessariamente isso quer dizer ser preciso um envolvimento amoroso mais sério, busco controlar meus sentimentos e mesmo estando interessado procuro não demonstrar. Espero o tempo passar pra saber se realmente gosto da pessoa, busco conhecê-la melhor, quero ter a certeza de não ser "fogo de palha" ou uma paixonite de adolescente.
Diante de tudo isso, fico na dúvida: será q se começar a namorar com tal pessoa estarei namorando com a pessoa certa na minha vida? Ou será q tenho q esperar mais um pouco? Na escala de 1 a 10 da reação química ideal entre dois seres talvez essa pessoa q acho ser a pessoa certa está no nível 9, pode acontecer de na semana seguinte encontrar outra q está no nível 10 ou seria 9,9? Esse jogo do amor é perigoso, parece q funciona na tentativa e erro, não quero crer na maldosa frase "enquanto não encontro a pessoa certa, vou me divertindo com as erradas".
Estou num dilema, há mais de um ano tive um encontro fortuito com uma menina bem reservada da faculdade, trocamos olhares e conversas, e me senti muito impactado e atraído por ela. Juro q desde então nunca mais deixei de pensar nela, acho q em todos os dias. Peguei o contato dela, depois disso tivemos conversas esparsas pelo zap, temos muita afinidade de ideias e até chegamos a nos encontrar em alguns finais de eventos q curtimos em comum, mas como já era tarde da noite e o ambiente tumultuado só ficamos nos abraços e sorrisos. Na faculdade é difícil nos vermos e quando isso acontece é sempre corrido, estudamos de noite e os horários não batem pq somos de cursos diferentes. Eu tbm meio q fujo dela, ando pelos corredores evitando encontrá-la, pq não saberia como reagir. Não gosto de estender muito as conversas, pq perco um pouco do controle quando a vejo, fico pálido e me dá taquicardia, não gostaria de demonstrar às claras meus sentimentos. Na vdd, nem conheço ela direito, isso td pode ser fantasia da minha cabeça, devaneios pretensiosos, às vezes ela só me trata como um amigo distante, apesar de já ter me surpreendido com uma demonstrações de carinho fora da faculdade por meio de um bilhetinho escrito a mão q ela pediu q outra pessoa me entregasse. Somos de bairros distantes dentro da mesma cidade e eu presumo ela não quer compromisso nesse atual momento de sua vida. Por enquanto não revelo meu amor carnal, fico no platônico enquanto os medos bobos não vão embora.
Pra apimentar a história, surge um outro alguém, uma amiga de longa data q sempre achei delicada, bonita e singela, mas como ela era alguns anos mais velha q eu, acho q 2 anos, não me imaginei namorar com ela. Ela hj está mais madura e bem mais próxima de mim. Quando nos encontramos percebo o acanhamento dela, mas nas msgs suas carinhas de emojis são sempre afetuosas comigo. No pouco q ficamos juntos ela já me contou da sua vida pessoal, do seu ex-namorado, dos seus planos e incertezas. Ela é bem mais aberta comigo do q a outra, isso tbm se deve pq já nos conhecemos a mais tempo. Meu coração tbm diz q talvez podemos namorar, mas não tive aquele amor a primeira vista como foi com a outra. Sou sempre cordial e amigo com elas, evito entrar em assunto mais voltado quanto aos meus sentimentos por elas. Só q nesse último mês estou sendo impelido a me manifestar.
Aff... pq eu não me resolvo quanto a isso?
submitted by pinho07 to desabafos [link] [comments]


2019.09.15 19:11 YareYareDaze007 Minha "breve" história amorosa

Essa História que será aqui contada, nesse livro, é a jornada de um garoto chamado Giovane, um garoto quieto, de poucos amigos, porém muito estudioso, sempre tirava boas notas na escola. E é exatamente lá que nossa história começa.
No ano de 2017, nosso protagonista está sentado tranquilamente em sua mesa, na sala de aula, quando repentinamente ao olhar de relance para a porta, ele percebe alguém entrando, mais especificamente uma garota, uma linda garota, que instantaneamente desperta o encanto de Giovane. Vale lembrar que naquela época, ele era um garoto de 13 anos, sem nenhuma preocupação além de vídeo-games e estudos, mas tudo aquilo estava prestes a mudar. Naquele momento, ele havia descoberto o amor, que muitas vezes pode ser comparado à uma benção ou maldição. Ao ver a garota de nome desconhecido entrar, Giovane logo ficou surpreso com tamanha beleza, porém no momento não fez muita coisa. Apenas voltou aos estudos e tentou não pensar muito naquilo, porém era quase impossível, a cada conta que fazia, a cada texto que lia, a imagem da garota continuava a aparecer em sua cabeça. O que era muito ruim, considerando o fato de Giovane sempre dar muita importância aos estudos, aquilo estava o atrapalhando. Mas logo o nome da garota foi revelado: Sabrina. Giovane ouvira a professora dizer esse nome na chamada e viu a garota responder.
Não demorou muito para ele se dar conta do que havia acontecido. Ele sabia que estava sob o efeito da droga mais poderosa que existe: O Amor. E para o amor não existe cura, apenas o tempo, que foi justamente o que decidiu fazer: dar um tempo e ver o que acontecia. Giovane Não tinha ideia de como os eventos se desenrolariam dali em diante, não sabia o quanto sofreria pensando nela.
Passado algum tempo, cerca de 3 meses, e o amor de Giovane por Sabrina continuava aumentando, como uma fogueira que é atiçada pelo vento. No entanto, uma dúvida ainda pairava sobre sua cabeça: O sentimento era recíproco? Sabrina via Giovane com outros olhos? Ele não sabia, e isso estava o enlouquecendo.
Um mês depois do acontecimento anterior, ele havia pensado em uma maneira de acabar com suas dúvidas, era o único modo que nosso protagonista havia pensado: Falar à Sabrina sobre seus sentimentos. Porém, Giovane era um garoto extremamente tímido, o que deixava essa hipótese quase impossível. Ele tinha medo de contar o que sentia e não ser correspondido, ou ainda pior, ser ridicularizado pelas pessoas ao redor da escola. Chega o fim do ano e Giovane não havia conseguido se declarar. "Meu Deus, mas e se ela não estiver aqui o ano que vem? " Pensava.
2018, início do ano. E para sua surpresa, ele estava na mesma sala que Sabrina. Seria o destino dando uma segunda chance a ele? Talvez. E como dito anteriormente, seu amor não diminuía, apenas crescia dia após dia. Nosso protagonista tem 14 anos agora, muito mais maduro, certo? Errado! Ele continuava com uma ideologia de " deixar o rio fluir ", ou seja, não fazer nada e deixar que o destino cuidasse do resto. Claramente essa tática não deu certo. Porém, Giovane possuía um amigo chamado Marcos, cujo qual se dava muito bem com as mulheres. E fui justamente a ele que Giovane foi pedir ajuda. E acontece que Marcos era realmente bom no que fazia, e milagrosamente conseguiu fazer Sabrina se aproximar consideravelmente de nosso protagonista, que estava pensando sobre a vida e as decisões que havia tomado e aparentemente não interagindo com Sabrina, o que fez Marcos aparecer e talvez ter causado o maior arrependimento da vida de Giovane. Ou não? Marcos chegou conversando com ambos e acabou deliberadamente por falar que Giovane estava apaixonado por Sabrina, o que deixou nosso protagonista completamente paralisado, como se tivesse visto um fantasma, sem nada para dizer, como se tivesse visto a morte cara-a-cara. E Sabrina pareceu incrédula do fato, tanto que até se levantou da cadeira na qual estava sentada e estava se dirigindo a seu lugar, quando Marcos a parou e tentou argumentar com ela, mas nada parecia dar certo. Enquanto isso, nosso protagonista continua sentado imóvel na mesma posição que havia começado a conversa. Passados cerca de 3 minutos, Sabrina chega à mesa de Giovane e pergunta:-O que aconteceu?
-Nada. Diz Giovane
-Você está com cara de bravo. Foi alguma coisa que eu fiz?
-Não, não foi nada.
E Sabrina sai daquela mesa e volta para a dela.
A partir daquele dia, Giovane se tornou outra pessoa, alguém completamente novo. Ao invés do garoto alegre e piadista de sempre, ele havia se tornado alguém quase depressivo, não falava quase nada, passava horas parado pensando na vida, não fazia mais tantas piadas. Até o dia 10 de agosto de 2018, quando ele decide que não vale mais a pena sofrer tanto por conta de falta de coragem. Na escola, durante a aula de geografia a lição era fazer um mapa-múndi e foi o que nosso protagonista fez, porém Marcos tinha um plano para ambos ganharem nota apenas com o esforço de Giovane, que aceitou ajudar já que poderia precisar de algum favor de Marcos algum dia. E foi um plano, absurdamente bem bolado, executado com maestria e finalizado com êxito.
Na noite daquele mesmo dia, Giovane decide cobrar a ajuda que ofereceu à marcos. Mandou uma mensagem para ele e combinou que iriam executar um plano para que nosso guerreiro Giovane tivesse a coragem de se declarar à belíssima donzela Sabrina. Marcos a convenceria a segui-lo e passaria por um local combinado, onde Giovane apareceria e abriria seu coração para ela, acabando de uma vez por todas com isso, do jeito bom, que Giovane sairia com uma namorada e se livraria de sua tristeza ou do modo ruim, que era o que Giovane achava mais provável, onde ele seria completamente rejeitado e jogado à depressão para sempre, porém esquecendo de Sabrina. Nada poderia impedir esse plano de funcionar.
Exceto uma coisa: O esquecimento de Marcos que não conseguiu atrair Sabrina até o local combinado, o que fez com que Giovane saísse vagando pela escola envolto em seus pensamentos, e andando sem parar, para praticar pelo menos de alguma maneira, algum exercício, contudo ao fazer a volta na escola várias e várias vezes, no caminho Giovane se deparava com Sabrina andando com uma amiga e seu namorado, e durante algumas dessas vezes ele pôde ouvir claramente a amiga de Sabrina dizer: " quem quer catar a Sabrina? " Duas vezes na mesma hora em que ele estava passando e ainda ouviu mais uma última vez: " Ela está se doando ". Giovane estava começando a ligar os pontos, tudo começava a fazer sentido em sua cabeça. A vontade dele era alterar o curso de sua caminhada e abrir seu coração a ela, porém se fizesse isso, ele estaria desperdiçando um favor de Marcos, então Giovane Simplesmente continuou sua jornada de volta à sala de aula. Ele estava prestes a descobrir o significado de tudo que aconteceu.
No final daquele dia, Giovane decidiu perguntar à marcos se ele havia se esquecido. E de fato ele havia, no entanto se ofereceu para fazer o mesmo plano no dia seguinte. Giovane concordou.
Terça-feira, 14 de agosto de 2018, nosso protagonista vai para a escola apreensivo pensando em como vai ser, no que ele vai dizer..., mas durante a aula de história, nosso herói percebe que Sabrina estava muito impressionada com o professor novo. Estaria ela realmente afim do professor? Ou seria apenas uma brincadeira? Ele não sabia e isso o deixava apreensivo. Na próxima aula, a de matemática, a professora havia mudado Sabrina de lugar. E coincidentemente, o lugar que ela foi designada era bem perto do lugar de Giovane. Seria esse o destino colaborando mais uma vez para que tudo desse certo em sua vida?
No recreio, tudo estava combinado com Marcos. Só lhe restava sair da sala e seguir com o plano. Acontece que um amigo de nosso protagonista, conhecido pelo codinome Sem Mão, decidiu segui-lo e ver o que aconteceria e como acabaria. Giovane conta o plano à Sem Mão, que fica impressionado e diz que aquele plano era como fazer roleta russa com 5 balas. No entanto, Marcos demorou muito para fazer o plano e quando fez, não fez corretamente: Ele simplesmente disse para Sabrina que Giovane gostaria de conversar separadamente com ela, enquanto nosso protagonista apenas passava por ela e ia direto ao banheiro, pois estava muito tenso. Acaba o intervalo e Giovane se dirige à sala de aula. Na última aula, logo em seguida da de educação física, todos voltam para a sala e se preparam para a aula de matemática e provavelmente a coisa mais inesperada desse livro acontece: Ele pensando na vida como sempre, consegue ouvir Sabrina e Vinícius, um outro colega de sala, discutirem sobre voltar ao lugar anterior deles, e de repente ouve ela dizer que aquele lugar era bom porque ela conseguia ter uma boa vista de uma coisa. Instantaneamente nosso protagonista percebeu que essa "coisa" era nada mais nada menos que ele mesmo, até porque em certo momento dessa conversa ele pôde perceber Vinícius responder: Do G? Que foi logo respondido com uma resposta de Sabrina: Por que você não grita logo de uma vez?! Seguido disso, Vinícius em tom de brincadeira, aumenta levemente sua voz e repete a frase anterior. A teoria das cinco balas de Sem Mão acabara de ser refutada, pois com essas informações, suas chances aumentaram consideravelmente, deixando a arma com apenas uma bala. Estava muito claro para Giovane que Sabrina aparentemente gostava dele, mas não queria que isso fosse exposto. Passado certo tempo da aula, mais uma vez Sabrina diz que é um bom lugar e que ela consegue observar muito bem essa "coisa" e foi respondia por Vinícius: Mas do seu lugar anterior, você também consegue ver. E logo veio a resposta: Sim, mas daqui eu consigo ver mais de perto, logo esse lugar é melhor. Ele sabia que, ou se tratava dele ou de algum de seus amigos que sentavam perto, e estava bem convencido de que se tratava dele. Nesse momento, Giovane estava pulando de alegria por dentro, mas por fora só se via sua expressão mais comum: a de indiferença. Ninguém simplesmente olhando, poderia saber a felicidade que residia dentro de Giovane naquele instante. Ele foi para casa se sentindo renovado e feliz, só não voltou saltitando por motivos de masculinidade. O que aconteceria depois?
No dia seguinte, Giovane não foi para a escola. Ele havia ido ao médico, e como o sistema de saúde do Brasil não é dos melhores, não conseguiu voltar a tempo de ir para a escola. Ainda nesse dia, pela primeira vez ele decide tirar seu bigode e por incrível que pareça, se achou mais bonito e se sentiu deveras confiante em sua jornada. Por volta das 18 horas, conversa por mensagens com seu amigo Sem Mão e lhe conta sobre o que havia descoberto ouvindo aquela conversa, e para desanimar um pouco nosso herói, Sem Mão diz que o "G" mencionado na conversa, poderia ser de Gustavo, outro aluno da mesma sala, mas Giovane prefere acreditar que ela se referia a ele. Logo em seguida, começa a conversar com Marcos, que também fica ciente da situação e diz:
- Ela está brincando com você, cara...
- Não, estou tão confiante que apostaria cinco reais que ela não está brincando!
- Cinco reais? Apostado então! Mas para você ganhar, ela tem de deixar explícito que aceita você. Assim como para eu ganhar, ela deve deixar explícito que rejeita você.
- Claro.
Giovane não possuía cinco reais, nem sabia onde conseguir, mas estava confiante.
16 de agosto de 2018, nosso protagonista aparece na escola e diferentemente do último dia, não parecia tão tenso, parecia até mesmo confiante do que iria fazer. Logo Marcos apareceu:
- Está fechada a aposta de hoje?
- Com certeza!
- Você sabe que vai perder, né?
- Certamente que não, estou tão confiante que nem trouxe o dinheiro, como sinal de que sei que não vou falhar! – Cada frase que nosso protagonista falava, era dita com convicção.
- Se está tão confiante assim, suba a aposta para dez reais!
Giovane pensou por alguns segundos. Ele não tinha esse dinheiro em mãos, mas para mostrar confiança à Marcos e a si mesmo, subiu a aposta.
- Feito!
No instante que disse isso, o sorriso malicioso que habitava o rosto de Marcos fora substituído por uma expressão de espanto. Não podia acreditar que nosso herói estava tão confiante. Porém, durante toda essa conversa na aula, Marcos decide contar à professora de ciências sobre a aposta, e para a surpresa de ambos, ela havia achado uma aposta interessante.
15:30, havia chegado a hora do intervalo, a hora da verdade. Quando pôs o pé para fora da sala de aula, soube que duas coisas importantíssimas estavam em jogo: Seu futuro amoroso e dez reais, que podem não parecer muito, mas na época que o país estava... Ele achava que seria fácil, mas estava muito enganado, pois quando estava fazendo o reconhecimento do melhor lugar para a abordagem, pôde sentir sua perna fraquejar. Depois de dar algumas voltas na escola e consequentemente acabar encontrando com Sabrina no caminho, ele havia achado que estava pronto e quando foi procurar seu alvo em movimento, não o encontrou, no entanto, logo descobriu que ela estava sentada, com sua amiga já mencionada anteriormente. Não havia mais escapatória, teria de se declarar na próxima volta e podia sentir seu coração bater cada vez mais forte ao se aproximar do local. Infelizmente, ao chegar e estar preparado, se depara com mais 4 garotas conversando com Sabrina e sua amiga, o que fez nosso herói alterar o curso e ao invés de parar, acabou seguindo sua trajetória comum. Faria na próxima volta, não importava o que acontecesse, porém, ao chegar novamente e ver que só estavam ela e sua amiga sentadas, não conseguiu. Era como se uma força desconhecida o impedisse.
Bate o sinal para todos voltarem para suas salas de aula e nosso protagonista entra e percebe que teria uma aula vaga, e logo seu lamento em não ter conseguido se declarar, se tornou em forças para tentar agora que não haviam tantas pessoas lá fora. E mais uma vez não conseguiu, até que Sem Mão propõe um desafio: reproduzir um desenho de seu amigo Raul, um cara vidrado em desenhar, e Giovane aceita, pois ficar andando e se lamentando não era a melhor atividade. Chegando onde Raul estava, Sem Mão explica o desafio, porém, por algum motivo Raul pega uma folha e corta em duas, dando uma parte para Sem Mão e outra a si mesmo. Giovane não se importa. Na verdade, parecia não se importar com mais nada depois de ter fracassado em conversar com uma garota. Sem Mão reproduz um desenho de um homem com terno roxo e gravata que Raul havia feito. A única diferença, no entanto, foi que sua reprodução ficou parecendo o cruzamento de um desenho de uma criança sem talento com um feto malformado em um pote com formol. Após isso, aparentemente Sem Mão ficou tão entediado quanto nosso protagonista e decidiu voltar a andar, quando de repente veem Marcos e o namorado da amiga de Sabrina tentando tirar a namorada de Marcos e a amiga de Sabrina de um banco no qual estavam todas sentadas. Giovane pensou que poderia ser Marcos querendo ajudá-lo a conseguir, mas qual seria sua motivação além de perder dinheiro? E eles conseguiram tirar as garotas do banco, deixando Sabrina sozinha, que decidiu levantar e começar a andar, mas nosso herói não pensou em abordá-la, simplesmente não tinha a coragem para isso. E acontece que ele era um cara muito corajoso quando se tratavam de brigas e tudo mais (até enfrentou um bando de garotos que estavam o incomodando uma vez), mas quando se tratava de garotas, ele não sabia o que fazer. Depois disso voltou para a sala a tempo de acompanhar as duas últimas aulas de geografia. Contudo, no final da última aula, Marcos veio conversar com nosso herói:
- E aí cara, cadê meus dez reais?
- Eu não falei com ela, logo não tomei um fora, o que significa que eu ainda fico com meu dinheiro.
- Porra, cara. Qual a dificuldade? É só chegar lá e falar " eu estou afim de você, vamos ficar juntos? " E acabou.
- Se fosse tão fácil assim, eu já teria feito há um ano e oito meses atrás...
- Mas é fácil!
- Não para mim. Me falta coragem.
Então Marcos decide tomar uma abordagem mais agressiva.
- Olha lá a bunda dela como é grande! Você não quer ter isso?
Giovane continuava dizendo que não tinha coragem.
- Olha lá, o cara foi dar tchau para ela e passou a mão na bunda dela! E ela ainda deu risada! Você vai deixar o cara fazer isso com sua futura esposa?
O sangue de Giovane fervia, como se ele mesmo fosse explodir a qualquer momento, mas ele era um cara calmo e conseguiu se manter normalmente apenas dizendo " calma e tranquilidade " a si mesmo enquanto Marcos dizia:
- Se amanhã você não conseguir, você vai ter de dizer para todo mundo que você é um merda e eu sou superior!
- Okay, já me considero um merda normalmente...
Mas aquela conversa lhe deu forças para o que ele faria no dia seguinte.
Dia 17 de agosto de 2018, nosso herói está prestes a sair de casa, enquanto seu pai assistia tevê, e de relance, pôde ver a notícia mais bizarra que já havia visto em toda a sua vida: " Homem-Aranha do crime " que aparentemente era um ladrão que escalava prédios tão bem que recebeu esse nome.
Chegando na escola, pronto para fazer um trabalho de artes, acaba descobrindo que haveria outra aula vaga, já que sua professora tinha faltado, o que o deixou feliz e enraivecido. Quando já havia saído da sala e estava andando pela escola, começa a falar com Sem Mão desse livro que está sendo escrito agora mesmo.
- Vai ter muita coisa nesse livro!
- Essa conversa também?
- Provavelmente, já que eu vou colocar qualquer coisa que pareça insignificante o suficiente no lugar de alguma informação que seria crucial, ou seja, essa conversa vai direto para ele.
- Bem, isso não seria meio que...
- Um Inseption muito foda!
- Eu ia dizer quebra da quarta parede, mas Inseption também está valendo.
- Não é bem uma quebra da quarta parede. Eu só estaria fazendo isso se eu dissesse: " Ei, você aí que está lendo esse livro, como é que você está? "
- É, realmente...
Ao andar, se deparava algumas vezes com Sabrina andando com Marcos e outra pessoa não apresentada anteriormente: Kauã. Em algum momento, Marcos tentou parar Giovane o empurrando e lembrando que ele tinha de concluir sua tarefa naquele dia, ou então seria um fracassado.
- Você tem até hoje para conseguir.
- Veja bem, meu amigo, até a meia-noite ainda é hoje.
E essa foi uma sacada bem esperta, tenho que admitir. Enfim, nosso protagonista continuou andando um pouco até que...
- Giovane! Chega aqui! – Disse Marcos aos berros sentado em um local perto de uma árvore.
- Porra... – Disse Giovane.
E foi andando até chegar a ele.
- Que foi, cara? – Perguntou em tom de desânimo.
Eu preciso que você tire uma foto.
" Uma foto? " Pensou Giovane, achando que poderia ter um esquema armado por Marcos.
- Ok, vamos lá!
E foram caminhando em direção à uma outra parte da escola. Quando chegaram, nosso herói se pôs em posição e segurando o celular de Marcos, estava pronto para fotografar. Enquanto olhava para a tela do celular, podia ver Sabrina e sua beleza, ao mesmo tempo que pensava " Caralho, eu sou um merda meu irmão! " E tirou a foto. No entanto, o que não sabia, é que quando já ia se retirando do local, Marcos o chamou e disse:
- Não, cara. A gente só quer que pegue essa parte da parede.
- Ah, ok.
E novamente estava em posição observando Sabrina pela câmera, e logo tirou outra foto. E dessa vez, conseguiu voltar à sua rota sem ser chamado mais uma vez. Andava e andava, sem rumo, sem destino, sem coragem, quando com sua super audição pôde ouvir Sabrina discutindo com Marcos, atrás dele.
Ouvindo isso, ela decide desafiar Marcos para uma briga, e ele logo se acovarda. Como Giovane, ele não tinha coragem. Quanta hipocrisia, não é mesmo, caro leitor? No entanto, ele logo teve uma ideia.
- Vai lá e usa essa raiva no Giovane!
E Giovane continuava andando na frente apenas ouvindo essa conversa, quando foi chamado.
- Giovane! Chega aqui!
E lá ele foi conversar com ele.
- O que foi dessa vez?
- A Sabrina quer te dar um soco.
Mas ela não queria.
- Não, eu não vou! – Disse ela.
- Por que não? – Perguntou Marcos
- Porque eu estou com raiva de você, não dele!
Mas depois dessa breve conversa, Giovane notou um olhar de Sabrina dirigido ao nosso herói. Sabrina realmente teria olhado para ele da forma que imaginava? Ou só estava ficando louco? Descobriria tudo isso em breve...
Dia 18 de agosto de 2018, sábado, por volta das 22:30 da noite Giovane é contatado por Marcos com uma mensagem:
- E aí, cara?
- Opa.
- Tudo beleza, cara?
- Tudo de boa.
- Então, cara... eu acho que você perdeu a aposta.
- Não, pois a aposta não tinha prazo. A única coisa que tinha prazo era eu dizer que sou um merda e a sexta já passou, então você foi enganado...
- Aí é que está, meu amigo quem está se enganando é você mesmo. O único que está sofrendo por amor é você.
- Sim, mas ainda assim, a cada dia minha coragem vai aumentando...
- Não se iluda meu pobre amigo. Esse seu coração não merece sofrer!
- Eu estou apenas contando os fatos.
- Não ame aquela garota, ela não merece você.
- Se fosse tão fácil assim... E você não vai me fazer desistir, porque sou brasileiro e brasileiro não desiste nunca!
- Entendo, apenas não quero que sofra por algo que não tem futuro.
- Eu já sofri para caralho, eu tentar isso não vai aumentar a dor que eu sinto por não estar ao lado dela.
- Você realmente quer isso, não quer?
- Sim, porra!
- Para que você possa ver que eu não estou mentindo. Eu nunca disse isso para você, porém... eu realmente não tenho nada para fazer.
- Etcha porra!
- Sim, essa foi a única palavra que você nunca me ouviu dizer.
- E qual seria? – Perguntou Giovane apenas para ver Marcos admitindo que estava tão perdido quanto ele.
- Eu não sei o que fazer.
- Ca ra lhou.
- Por conta dela, não tem muito o que fazer.
- Isso mostra que é um caso absurdamente difícil.
- Sim, porém não impossível.
- Até porque nada é impossível, exceto o Palmeiras ganhar um Mundial. Isso é impossível.
- Kkk verdade. Como eu já vi que você não vai desistir da Sabrina...
- Certamente que não.
- Eu vou pelo menos tentar ajudar.
- Que bondoso.
- Porém, como nada na vida é perfeito, eu vou usar minhas técnicas...
- Caralho. Tenho trauma dessas técnicas.
- Pode apostar! Até porque, eu aprimorei elas...
- Acho bom mesmo, kkk
- Porém não foi para um lado bom! Foi para um lado mais extremo.
- Puta merda.
- Eu já pensei no que vou fazer. Funciona muito em filmes e novelas.
- Diga-me.
- Vou trancar vocês dois, em algum lugar sozinho.
- Caralho. – Giovane já sabia que aquele plano não iria funcionar, porém decidiu ouvir até o fim.
- Vai ser perfeito. Você vai ver, aí é por sua conta. Na verdade, a parte mais difícil sempre vai ser para você.
- Eu estou com um certo medo do que pode acontecer.
- Ela pode falar tudo que sente por você, ou ela pode ficar de fato com você.
- Ou pode não acontecer nada.
Depois de um tempo de conversa Marcos se convenceu de que seu plano não era dos melhores. Até que disse:
- Eu te ajudo e você me ajuda. Eu te ensino o que sei, e você o que sabe...
- O que exatamente você precisa?
- Eu quero saber como você pensa tanto e quero saber como você é tão concentrado, etc....
- Caralho, sério?
- Sim.
- Ok, aqui vai. Não tem segredo: Você só tem que pensar que sua vida dependesse daquilo. Mas, o lance de ser pensativo, acho que é porque eu não tenho muito o que fazer, apenas pensar.
- Ótimo!
- Espero ter ajudado.
- Ajudou sim, muito obrigado. Agora o que você precisa?
- Fora o lance da Sabrina, nada.
- A melhor opção seria chegar nela em alguma hora em que ela estivesse sozinha ou falar que é uma conversa em particular.
- Sim, o lance é que eu preciso de coragem.
- Quer saber, você transmite confiança. Algo que eu queria muito transmitir.
- Só reprimir suas emoções e mostrar nos momentos mais cruciais.
- Como assim?
- Você nunca sabe se eu estou feliz ou triste, certo?
- Certo.
- Mas as minhas emoções mudam. Tudo que eu faço é mostrar o que eu quero que os outros vejam: A minha cara de indiferença de sempre.
- Porra.
- É basicamente só isso.
- Valeu, cara.
- Você me ajuda muito, estou retribuindo.
- Muito obrigado. Mesmo, cara.
- Não há de quê.
Dia 19 de agosto de 2018, Marcos envia uma mensagem por volta das 21:00 para Giovane:
- Cara, estamos na mesma situação. Eu me apaixonei e ela não dá bola para mim. Fudeu, eu me apaixonei. Isso não é natural no universo.
- Vamos conversar.
- Fudeu.
- Você se fodeu.
- Sim, Fudeu. Eu me apaixonei e isso não é normal da porra da natureza! Eu sou Marcos Ribeiro, não posso me apaixonar!
- Agora sente o que eu sinto há quase dois anos. Não é fácil quando é com você, né?
- Literalmente não. Mano, ela é maravilhosa e não me dá bola. Nem com meus truques e experiência não consigo.
- Você sabe que se eu conseguir ficar com a Sabrina e você não pegar essa mina, o mundo deu uma puta volta.
- Sim.
- Algo de errado não está certo.
- Nem um pouco. Mas, mano ela é perfeita! Pensa na Sabrina e multiplica por 20.
- Impossível!
- Juro.
- Para mim não existe nenhuma garota na face da terra que se compare à beleza da Sabrina. Acho que o amor faz isso...
- Mano, Fudeu. Eu me apaixonei. Pera aí...
- Eu poderia ser muito cuzão e não ajudar, mas você tentou me ajudar, então farei o que puder.
- Pronto. Não sou mais apaixonado.
O amor não é brincadeira de criança, é coisa séria e não se livra do amor tão rapidamente. E Giovane sabia disso, então ou Marcos não estava apaixonado desde o início, ou ainda estava apaixonado ou talvez estivesse inventando tudo aquilo.
- Ata kkk.
- Sério, passou. Eu me controlei.
- O amor vai e vem como uma montanha-russa.
- Não. Não comigo.
E foi então que nosso herói se preparou para fazer um dos melhores discursos de todos os tempos.
- Você pode ter esquecido agora, mas vai pensar nela de novo. E aí fodeu. Mas, se tem uma coisa que eu aprendi é que você tem que insistir...
- Não. Foda-se.
- ... até não ter mais forças. Você não vai esquece-la, apenas aceite o destino. Se você não tentar, alguém vai e você vai ficar muito arrependido. Então você não vai desistir, porra! Logo você, o cara que me incentivou a correr atrás da Sabrina, não pode simplesmente desistir. Essa pode ser a mulher da sua vida, então você teria que ser muito burro para deixar de tentar. E é por isso que você vai correr atrás dela.
Esse foi um puta discurso. Foi tão bom que parece que foi redirecionado a si mesmo e deu forças para ele fazer o que faria amanhã.
Dia 20 de agosto de 2018. O que nosso herói fez? Nada! Até tentaria falar com Sabrina, mas o problema é que não a via. Ficou todo depressivo por passar mais um dia sem conseguir e foi para casa. Chegando lá, sente uma certa fome e decide fazer uma omelete. Uma coisa que deve ser dita anteriormente, é que independente de quanta pimenta do reino colocasse, não conseguia sentir a picância que deveria. Fazendo a omelete, coloca pimenta do reino e seus dedos ficam sujos. Logo vem seu pai, com uma má intenção.
- Lambe a pimenta aí para você ver que não arde quase nada.
Giovane confiava em seu pai então provou e por um segundo pensou " nossa, não arde mesmo ", mas estava muito enganado e arrependido, pois depois de dizer isso, pôde sentir sua língua queimando como carvão em brasas, então pensou " vou tomar um copo de leite e estará tudo resolvido ", acontece que no momento a caixa de leite que estava na geladeira, havia acabado e Giovane teve que esperar cerca de trinta segundos de pura dor e sofrimento até conseguir abrir outra caixa de leite.
Esse pequeno conto não interfere em nada nossa história, mas achei que deveria ser compartilhado.
Quinta-feira, 23 de agosto de 2018. Nosso herói já está na escola durante a terceira aula, esperando o sinal para o intervalo. Ao ouvi-lo, Giovane, como sempre, começa a andar em voltas, porém, mais uma vez se depara com Sabrina, mas dessa vez ela não está andando, e sim parada com algumas garotas, o que eliminava completamente a possibilidade de tentar fazer seu plano, então apenas segue seu caminho. Voltando para a sala, ele não sabia, mas sua vida que já era depressiva, estava prestes a ficar pelo menos três vezes pior, por um tempo. Ao entrar e sentar em sua cadeira, pôde ouvir Yasmin, sua prima, dizer claramente que era um cupido, logo em seguida Sabrina conversa com alguém que ele não conseguira identificar, mas ouve a seguinte frase durante a conversa " Eu virei e dei um beijo na mina ". Naquele momento, não sabia o que fazer. Seus olhos começaram a lacrimejar como se estivesse cortando um milhão de cebolas enquanto um anão tailandês chicoteava suas costas. Sentiu que todo o sentido de sua vida havia acabado, sentiu-se como se o chão que estava aos seus pés havia desabado. Para esconder sua tristeza de todos e de si mesmo, Giovane adotou um comportamento bem agressivo, mas enquanto conversava com Marcos ouviu-o dizer:
- Vamos fazer uma aposta amanhã. Tipo os gringos jogam pôquer e apostam salgadinho essas coisas, já a gente que é fudido aposta bala. A gente poderia, sei lá, jogar algum jogo de azar tipo pôquer, truco...
- Eu toparia um truco. – Disse nosso protagonista.
- Ok, então amanhã todo mundo traz bala para apostar e a gente joga um truco.
Chegando em casa, de noite, Giovane decide contar a seus amigos sobre o motivo de ter ficado tão furioso a partir do intervalo, exceto por uma parte que ele não conseguia parar de rir como se fosse um retardado " Bebidas Xabás ". E ao contar para Semeão, ele recebe um discurso motivacional quase tão bom quanto o que havia feito para Marcos.
- Giovane, sabe o que você precisa?
- O que?
- TVNC
- Wtf?
- Tomar vergonha na cara.
- Porra, semeon.
- Criar coragem e ir.
- Sim. Só preciso do meu bigode, ele me transmite segurança.
- Não deixe que coloquem o dedo na sua cara e digam quem você é!
- Minha autoestima começou a subir...
- Virou mó conversa motivacionap. Maldito correto. R.
- Maldito analfabetismo!
- Cara, você é o cara!
- É bizarro que eu nunca pensei que não conseguiria por falta de coragem, mas sim por rejeição.
- Você vai conseguir. Se tiver a lábia mais do que perfeita, você é imbatível!
- Sim, eu só preciso chegar nela.
- E puxar um bom papo.
- Com puxar um papo, você deve saber que eu vou chegar fazendo a proposta.
- Hum, é mesmo?
- Se a porra do Marcos tivesse seguido o plano...
- Então quando você chegar nela, já sabe...
- Agora tenho que ir.
- Vou recobrar o favor do Marcos, mas falous.
- O Kauã está mandando eu jogar com ele.
- Olha só, escravatura, mas falous.
Naquele mesmo dia, ele cobrou o favor e Marcos concordou em ajudar.
Dia 24 de agosto de 2018, na escola durante a primeira aula que deveria ser de artes, mais uma vez é uma aula vaga. Ao andar com Sem Mão e Raul, como sempre nosso herói se depara com Sabrina sentada com algumas amigas. Dando algumas voltas, durante uma delas, ao passar pelo grupo de garotas, nosso protagonista consegue ver claramente Sabrina olhar diretamente para ele por cerca de três segundos. E não era qualquer olhar, era um olhar tão certeiro que não havia a possibilidade de ela estar olhando para algum outro lugar. Esse fator somado às informações que Giovane havia conseguido ouvir ao longo do tempo, lhe dava uma chance de 99% de Sabrina estar afim dele.
Feliz para cacete, depois que a aula vaga acaba, volta para a sala e vai fazendo as lições até chegar a última aula de geografia. Todos haviam se lembrado do que Marcos havia combinado sobre o truco. Mas ninguém trouxe um baralho.
Depois de tudo isso, com sua confiança, nosso herói faz uma das coisas que mais se arrependeria em sua vida, ele decide aumentar a aposta que havia feito com Marcos para 20 reais. Se ele conseguisse, seria ótimo ganhar esse dinheiro, mas Giovane não pensou no caso de não ganhar a aposta, pois estava cego pela ganância do dinheiro fácil. Marcos aceita a proposta e dessa vez foi mais esperto por ter colocado um prazo de dois dias na aposta.
Durante alguns dias, nada de tão importante acontece que deva ser mencionado nesse livro. Isso até o dia 30 de agosto de 2018...
Giovane decide que pediria Sabrina em namoro durante o recreio, mas para isso precisaria da ajuda de Marcos, que concordou em ajudar depois de certas negociações.
É chegado o intervalo e a tensão estava subindo, até porque agora além de Sabrina, 20 reais estavam em jogo, e nosso herói não tinha nem perto disso...
Giovane anda durante o recreio procurando Marcos e acaba o encontrando.
- Então, cara... agora seria uma ótima hora para aquela ajuda...- Disse nosso protagonista.
- Ah, sim claro, claro... A gente só precisa encontrar a Sabrina...
E lá se vão Marcos, Giovane e Thiago (Não o Sem Mão) procurando a garota. Até que Marcos tem uma genial ideia (sem sarcasmo).
- Giovane, faz o seguinte: fica ali na árvore que eu vou ver se eu encontro ela e chamo-a aqui.
Nosso herói concordou com a cabeça e foi se dirigindo à árvore. Chegando lá, não parava de pensar o que iria dizer, até que de relance, consegue ver Marcos caminhando com Sabrina em sua direção. Eles haviam chegado.
- Então, o Giovane tem um negócio para te falar...
"É agora", pensava Giovane. Não havia mais escapatória.
- É então, é sobre o lance que eu ia falar ontem... Sabrina eu sou absurdamente afim de você, e você sabe disso, então... quer namorar comigo?
- Então... no momento eu não estou disponível..., mas se quiser a amizade, estamos aí.
Ele se sentia arrasado, detonado, zuado, fudido, quebrado.
Aquelas palavras ecoaram na cabeça de Giovane, que agradeceu a Sabrina por ter cedido seu tempo e foi embora andando. Por incrível que pareça, ele se sentia libertado. Triste, porém, libertado.
E nossa história termina aqui com um final não tão feliz(ou será que não?).
E com essa finalização, eu agradeço por ter tirado um tempo do seu dia para ler isso.
submitted by YareYareDaze007 to EscritoresBrasil [link] [comments]


COMO EU POSSO ENCONTRAR UM GRANDE AMOR? - YouTube Quando Comprar ou Vender um Fundo Imobiliário - Fiis - YouTube Só pra contrariar - Domingo (letra) Posso Comprar Com Meu Link de Afiliado da Hotmart ... Como Encontrar um Grande Amor Verdadeiro para Toda a Vida Namorado (Vídeo Clipe) - Ferrugem Ft. Anitta/Prod. David Alcanttara Onde eu posso encontrar um novo amor? Quanto um MEI pode comprar por mês? - YouTube Posso confiar nesse amor virtual????? Afirmações para atrair o amor em sua vida

Quero Namorar, e agora?[Como Encontrar a Pessoa Certa?]

  1. COMO EU POSSO ENCONTRAR UM GRANDE AMOR? - YouTube
  2. Quando Comprar ou Vender um Fundo Imobiliário - Fiis - YouTube
  3. Só pra contrariar - Domingo (letra)
  4. Posso Comprar Com Meu Link de Afiliado da Hotmart ...
  5. Como Encontrar um Grande Amor Verdadeiro para Toda a Vida
  6. Namorado (Vídeo Clipe) - Ferrugem Ft. Anitta/Prod. David Alcanttara
  7. Onde eu posso encontrar um novo amor?
  8. Quanto um MEI pode comprar por mês? - YouTube
  9. Posso confiar nesse amor virtual?????
  10. Afirmações para atrair o amor em sua vida

This video is unavailable. Watch Queue Queue. Watch Queue Queue Este é o canal de vídeos da Exata Contabilidade. Nele, você poderá encontrar informações importantes das áreas tecnológicas, empresarial, contábil e do Direi... Posso Comprar Com Meu Link de Afiliado da Hotmart ? 👀 é o tema desse vídeo 🎥 Assista-o aqui 👉 https://youtu.be/Qt5Aa-58HPw Muitos iniciantes afiliados que ... Domingo quero te encontrar E desabafar todo o meu sofrer ... Faça de conta que eu sou teu namorado Amar você é bom demais É tudo que eu posso querer Se tudo você tem melhor consultas de tarÔ e baralho cigano, cursos e trabalhos de magia. whatsapp: zanoni vizir (81) 9.9397-5594. encontrar uma grande amor É o desejo de toda mulher... Olga - 11 987456011 - wats. This video is unavailable. Watch Queue Queue Eu me lembro muito bem Não sei, talvez, pensei, você e eu Ir mais, ser mais, ter mais Não sei, pensei Se você deixar eu posso me tornar seu namorado A muito tempo eu sonho em ter você Mas, se ... Qual o melhor momento para comprar ou vender FIIs ? Tenho certeza que todos os brasileiros que começam a investir na Bolsa de Valores, ficam nesta dúvida e... Escola seu montinho e veja seu conselho...Posso confiar nesse amor virtual? analise bem os montinhos e penseeeeeeee....Boa sorte!!!!! Eu posso amar e ser amado ... ENCONTRAR SUA ALMA GÊMEA ... Amor e Felicidade 'EU SOU' (30 dias para um novo VOCÊ) - Duration: 1:00:03. Tiago Benevides 238,627 views.